Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Júri do Caso Kiss

Réu afirma: “Se os pais gritaram, é porque sofrem”

Foto: Cristiano Silva

Até esta sexta-feira, 3, nenhum réu envolvido no Caso Kiss havia dado entrevista durante o julgamento. Em um raro momento de conversa com a imprensa, no intervalo solicitado pelo juiz para acalmar os ânimos após as discussões entre a defesa e o presidente da Associação dos Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM), Flávio Silva, o acusado Luciano Bonilha Leão, que foi produtor da Banda Gurizada Fandangueira e comprou o artefato pirotécnico que causou o incêndio, comentou o clima tenso.

“Se os pais gritaram, é porque sofrem. Não tive desprezo nem indiferença pelas pessoas que estavam lá dentro (da Kiss). Todos sofreram e têm que ser respeitados. Não se brinca com a família. Hoje eu provo que não sou ladrão e ganancioso, como disseram”, disse o réu, visivelmente emocionado.

No primeiro dia do júri, Luciano já havia passado por um momento de tensão. Quando chegou ao Foro Central I para acompanhar o julgamento, um familiar de vítima o chamou de assassino. Amparado pelos advogados e visivelmente alterado, gritou por duas vezes: “Eu não sou assassino!”. Na oportunidade, precisou receber atendimento médico.

LEIA MAIS: Jornalista Daniela Arbex espera que a ‘verdade’ esteja presente no julgamento

Quer receber as principais notícias de Santa Cruz do Sul e região direto no seu celular? Então faça parte do nosso canal no Telegram! O serviço é gratuito e fácil de usar. Basta clicar neste link: https://t.me/portal_gaz. Ainda não é assinante Gazeta? Clique aqui e faça sua assinatura!

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.