Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Medicamento preventivo

Pesquisadora de Santa Cruz trabalha em projeto inovador contra a Covid-19

Uma moradora de Santa Cruz do Sul está envolvida com uma pesquisa em nível nacional que pode representar um ponto de virada na crise do novo coronavírus. A convite do senador candelariense Luis Carlos Heinze (PP), a engenheira agrônoma Andréa Brondani da Rocha passou a integrar um consórcio de pesquisadores que, há mais de um mês, trabalha de forma voluntária em um projeto inovador que prevê o uso do medicamento Ivermectina para bloquear a transmissão da Covid-19.

Também participam do grupo pesquisadores de instituições como a Fiocruz, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs).

LEIA MAIS: Gigante do tabaco quer começar a fabricação de vacinas em junho

O projeto, já submetido ao Ministério da Saúde, foi apresentado na noite desta quarta-feira, 29, por Heinze no plenário do Senado – a participação de Andréa e a ligação com Santa Cruz foram mencionadas na ocasião pelo progressista. À coluna, Andréa explicou que a Ivermectina, originalmente utilizada na área veterinária, já teve a eficácia comprovada no combate ao vírus causador da febre chikungunya. Além disso, já vem sendo alvo de experimentos em outros países em relação ao novo coronavírus. “Já temos uma segurança em relação às dosagens e à não existência de efeitos colaterais”, explicou.

LEIA MAIS: Coronavírus mobiliza pesquisadores em nova corrida global por vacina

A novidade apresentada pelo estudo brasileiro é que o medicamento tem o potencial de ser usado de forma preventiva. A expectativa é de que, com isso, seria possível afrouxar as medidas de distanciamento social de uma forma segura e reduzir o impacto econômico da pandemia. “Se comprovarmos nossa hipótese, não precisaríamos mais testar e isolar, mas tratar e liberar as pessoas para trabalhar e circular normalmente, pois elas não serão vetoras. Hoje o grande problema é que as pessoas assintomáticas são transmissoras, por esse motivo é preciso a quarentena. No entanto, isso afeta a nossa economia”, observou.

A próxima fase são os ensaios clínicos. Conforme Andréa, porém, o Ministério da Saúde prometeu dar prioridade ao assunto.

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.