Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

OBJETIVA MENTE

Sossega leão

Psicose é a perda do contato com a realidade. Uma pessoa em surto psicótico está mergulhada na loucura. Ela pode ter diversas causas, entre elas a esquizofrenia, suicidalidade, depressão, transtorno bipolar e abuso de drogas. O quadro psicótico pode ser breve e transitório ou persistente e altamente incapacitante. As principais características dos surtos psicóticos são as alucinações, agitação psicomotora, agressividade, confusão mental e comportamento bizarro. Estar psicótico é uma emergência médica, pois deteriora o cérebro e pode levar à morte.

O tratamento medicamentoso utilizado para tratar os quadros psicóticos é feito através dos antipsicóticos. Sua ação principal é bloquear o mecanismo que desencadeia os surtos psicóticos, uma ativação exagerada da dopamina em uma área cerebral chamada de sistema límbico. Bloqueando este neurotransmissor, temos alívio dos sintomas psicóticos. Mas esse efeito benéfico vem acompanhado de uma série de efeitos colaterais, alguns úteis e outros nocivos.

Como diz o título do artigo, os antipsicóticos são ótimos para conter agitação psicomotora e agressividade. Chegou agitado, alterado, atrapalhado ou agredindo, o sossega leão entra em ação. Para tal fim, o haloperidol ou clorpromazina são os mais usados. Apesar de bastante antigos, são ótimos para o curto prazo. Mas devido aos efeitos colaterais como sedação, ganho de peso, tremores, sintomas de parkinson, inquietação, apatia e diminuição das respostas emocionais, não são muito utilizados para tratamentos mais longos.

Os antipsicóticos mais modernos têm menos efeitos colaterais, mas não são isentos deles. Esses medicamentos mais modernos, como olanzapina, risperidona e quetiapina, também são muito empregados no tratamento da depressão, transtorno bipolar e esquizofrenia. Seus grandes problemas são o desenvolvimento de diabetes e aumento de colesterol que levam a um aumento da mortalidade. Há novos medicamentos que prometem o controle dos sintomas psicóticos com muito menos efeitos colaterais, como a lurasidona e brexpiprazol.

Por atuarem no cérebro a modo de controlar pensamentos disfuncionais, eles também podem atrapalhar as funções cognitivas como memória, atenção e inteligência. Os efeitos sexuais dos antipsicóticos também geram desconforto para quem os utiliza. Retardo ejaculatório, impotência e perda de libido são situações desconfortáveis em que muitas vezes se faz necessária a troca de medicação.

Apesar de tudo de ruim que descrevo dos antipsicóticos, não se enganem: eles salvam vidas e evitam muitas tragédias. Pode-se optar por medicamentos mais modernos para se ter uma vida melhor, pois não buscar tratamento é loucura.

LEIA OUTRAS COLUNAS DE VINICIUS MORAES

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.