Close sidebar

Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

SEDE OLÍMPICA

Tóquio tem segundo dia com recorde de novos casos de Covid-19

Sede da Olimpíada, Tóquio registrou 3.177 novos casos de Covid-19 nesta quarta-feira, 28, segundo as autoridades, o segundo dia seguido com recordes e um crescimento de infecções que coloca pressão sobre os hospitais. O aumento intensificará as preocupações em relação aos Jogos, que estão sendo realizados sob condições sem precedentes, incluindo a proibição de torcedores na maioria dos locais de competição.

Esse crescimento é também mais um problema para o primeiro-ministro Yoshihide Suga, cuja taxa de aprovação está em seu menor patamar desde que assumiu o poder em setembro do ano passado, antes das eleições para a liderança do partido governista e eleições gerais deste ano.

Governadores de três prefeituras perto de Tóquio pedirão que o governo declare estado de emergência nas regiões até quinta-feira, 29, afirmou o ministro da Economia, Yasutoshi Nishimura, que lidera a resposta do Japão à Covid-19, a um painel parlamentar. Falando antes de os últimos números serem anunciados, ele disse que casos devem subir nos próximos dias porque a testagem pode estar atrasada devido aos feriados da última semana.

“Acho que entramos em uma tendência de crescimento agudo dos casos, que era o que eu mais temia”, disse o governador de Kanagawa, prefeitura perto de Tóquio, Yuji Kuroiwa, a repórteres. Kanagawa e as prefeituras próximas de Chiba e Saitama estão vendo os casos saltarem.

LEIA MAIS: Comitê dos Jogos de Tóquio contabiliza 155 pessoas contaminadas por coronavírus

“Meu coração dói”, diz porta-voz

Organizadores da Olimpíada de Tóquio relataram nesta quarta-feira, 16 novos casos de Covid-19 relacionados aos Jogos, chegando a um total de 169 desde 1º de julho. Atletas olímpicos, funcionários e a imprensa precisam seguir regras rígidas que incluem testes frequentes. “Como morador e também como organizador, meu coração dói que os números estejam crescendo”, disse o porta-voz de Tóquio 2020 a uma entrevista coletiva.

Ele afirmou que medidas rígidas estavam em vigor dentro da “bolha olímpica”. Muitos japoneses estão preocupados com a disseminação de infecções de participantes da Olimpíada. Suga afirmou nessa terça-feira, 27, que as pessoas estavam se locomovendo menos e pediu que elas fiquem em casa o máximo possível e vejam a Olimpíada pela televisão. Afirmou que cancelar os Jogos não era uma opção.

Mas o parlamentar de oposição do Partido Constitucional Democrático do Japão, Jun Azumi, disse que o governo estava sendo otimista demais na sua avaliação da pandemia, o que poderia piorar as coisas no futuro. “A menos que ele revise sua visão da situação das infecções, quando a Olimpíada terminar, haverá uma séria crise nacional afetando as vidas das pessoas, começando com o colapso do sistema de saúde”, teria dito, segundo a emissora pública de televisão NHK.

Muitos japoneses estão cansados das restrições, no geral voluntárias, e alguns especialistas dizem que a decisão do governo de seguir em frente com a Olimpíada enviou uma mensagem confusa sobre a necessidade de ficar em casa, o que seria um risco maior do que qualquer disseminação direta de participantes olímpicos.

LEIA TAMBÉM: Brasil tem mais de 95 milhões de vacinados com ao menos a 1ª dose contra a Covid

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.