Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Conversa Sentada

Um pouco mais sobre animais

Muitos anos atrás, estando sozinho, comprei uma casa em Ipanema, na Rua Flamengo, na zona sul de Porto Alegre. Decidi cercar todo o pátio, fiz um galinheiro, comprei uma galinha, um galo e vários pintinhos. De manhã cedo, os tratava e depois ia ao Tribunal. Voltava ao fim da tarde, passava num mercadinho onde buscava restos de verduras, trocava a água e realimentava o bicharedo.

Perto de mim, morava um casal bem velhinho, do qual fiquei muito amigo. Assim, quando eu queria pernoitar fora ou viajar, entregava as chaves ao seu Aureliano e à dona Mathilde. Tratavam-me como filho. Às vezes, seu Aureliano vinha na minha casa escondido para tomar uma ou duas cervejas comigo. Dona Mathilde se irritava pois sentia o bafo do marido.

Eu tinha uma empregada que cuidava da minha casa, limpava o pátio, enfim, era bem zelosa. Chama-se Zaida. Ficava só um turno. O marido era pedreiro. Certo dia ela, querendo me agradar, passou um veneno onde as galinhas dormiam. Um dia depois começou a tragédia: as penosas foram morrendo com a cabeça e a crista bem escuras. Só sobraram o galo e uma pintinha. Incrível, o galo assumiu o lugar da choca e passou a cuidar da órfã. Mas também ele foi ficando com a crista azul e morreu.

Peguei meu carro e levei a pintinha sobrevivente para a casa de minha mãe em Santa Cruz do Sul que, como vocês devem ter lido aqui na Gazeta, criava galinhas no pátio a duas quadras da Catedral. Dona Ludmilla adotou a pintinha, que se transformou numa bela galinha, que namorou, teve pintinhos e nunca tivemos coragem de matá-la. Acabou falecendo de morte natural.

Só voltei a lidar com galinhas depois que comprei a fazenda em consórcio com minha mulher, Maristela, também apaixonada por tudo quanto era ser vivo. Vejo mais claro agora como leva tempo recuperar a fauna em caso de destruição.

Realmente: anos atrás, em nossos matos começaram a aparecer bugios mortos. Foi tamanha a mortandade que nossa família e todos os peões fomos nos vacinar contra a febre amarela.

Já se passaram vários anos e até hoje é raro o aparecimento desses simpáticos animais. Calculo que os raros que existem vieram migrando de outras localidades distantes. Mas o pior aconteceu por falta de esclarecimento. Eu mesmo ouvi, na fila de vacinação, várias pessoas dizendo que iam matar todos os bugios “porque eles trouxeram a febre amarela”, quando na verdade eles serviram de alerta da doença.

A fauna está caminhando em passos irreversíveis para o indesejável. É demais a sujeira do “homo burraldus” e a troca das noites pelos dias.

VEJA MAIS TEXTOS DO COLUNISTA RUY GESSINGER

Quer receber as principais notícias de Santa Cruz do Sul e região direto no seu celular? Então faça parte do nosso canal no Telegram! O serviço é gratuito e fácil de usar. Basta clicar neste link: https://t.me/portal_gaz. Ainda não é assinante Gazeta? Clique aqui e faça sua assinatura!

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.