Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

FORA DA PAUTA

Viva Juju

É início de noite de quinta-feira, dia 1º de outubro, quando escrevo esse texto. Uma data para ser lembrada neste ano tão intenso de 2020. Poderia falar sobre tantas coisas neste espaço e algumas ideias estavam em minha mente, até receber uma grande notícia: os exames feitos pela Juju confirmaram que ela preencheu os critérios para receber a medicação Zolgensma, de graça, através do sorteio realizado pela farmacêutica Novartis. Acredito que a essa altura do campeonato, a Júlia Cardoso Torres, que tem atrofia muscular espinhal do tipo 1, já dispensa até maiores apresentações para a comunidade regional. E a proporção que a campanha tomou em menos de um ano faz com que a alegria de Silviane e Ramsés, pais da menina, seja compartilhada por tanta gente.

A única medicação desenvolvida, até hoje, com potencial de cura para a Juju é também o remédio mais caro do mundo. Orçado em R$ 9 milhões, o tratamento teria que ser realizado nos Estados Unidos. Por mais assustador que o valor fosse, o amor e a coragem de uma mãe e um pai deram início a uma campanha para arrecadar a quantia. O sonho de um casal, em pouco tempo, virou o sonho de uma comunidade. Foram pequenos movimentos, de formiguinhas, em torno de um mesmo objetivo. Nos últimos meses são incontáveis as iniciativas que buscavam contribuir com a vida da Juju. Shows, brechós, tampinhas, sessão de cinema, refeições, enfeite para chimarrão, vaquinha online, dindos de coração, sorteio de terreno, pedágios, rifas… De perto ou de longe, conhecendo ou não a menina, milhares de pessoas se uniram e chegaram a mais de R$ 3,7 milhões.

Ainda assim, o tempo era curto e o dinheiro não era suficiente, até a noite dessa quinta. Ainda neste mês, a Juju deve receber seu tratamento e o valor arrecadado com a contribuição de milhares de pessoas ainda vai cumprir o objetivo de beneficiar a vida de uma ou mais crianças. Aquele sorteio, que a família se inscreveu lá em janeiro, sem muita expectativa, brilhou para a Juju. Sinceramente, essa é uma notícia que precisávamos neste 2020 tão duro. Uma notícia que fala de alegria, esperança, amor ao próximo, saúde, solidariedade, fé, gratidão. Aquela que veio para nos lembrar que o ser humano ainda sabe ser empático, ainda sabe se sensibilizar pela dor do outro e lutar pela vida.

Silviane e Ramsés, a filha de vocês ainda não tem maturidade para saber o quanto ela nos ensinou, mesmo tão pequena. Em um tempo tão severo, em um contexto político tão polarizado, em meio a tantas notícias ruins dá um alívio imenso saber que, enquanto sociedade, ainda temos a capacidade de nos unir por uma causa. Espero, inclusive, que todo esse movimento em torno da Júlia nos lembre que há muitas famílias que também necessitam de apoio. Que essa missão que a Juju acendeu na comunidade, não encerre por aqui. E que ela cresça saudável e alegre, como gostaríamos que fosse a vida de todas as crianças. Enfim, teremos uma ótima razão para lembrar de 2020.

LEIA OUTRAS COLUNAS DE MARIA REGINA EICHENBERG

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.