IDEIAS E BATE-PAPO 25/09/2020 20h41

O pavor do “vento encanado”

Quem é da minha geração conhece muito bem a lenda que habitou nossa infância, aterrorizando nossa rotina

Durante a construção do parque eólico do município de Osório, visitei o lugar com o então governador Germano Rigotto. Se à distância o complexo parece grandioso, ao chegar mais de perto se constata que tudo é, de verdade, de tamanho gigante. No meio de potreiros e perto das lagoas durante a baixa temporada de veraneio, só se ouve o barulho do vento.

Lembrei-me desse episódio nos recentes dias ventosos, quando as portas batiam insistentemente, obrigando a levantar para evitar correntes de ar. Instantaneamente recordei de recente coluna do amigo e colega jornalista David Coimbra, que escreveu sobre os perigos do “vento encanado”.

Quem é da minha geração – fiz 60 anos em junho – conhece muito bem a lenda que habitou nossa infância, aterrorizando nossa rotina com os riscos fatais da ventania. O maior perigo residia no descuido do pós-banho quente, em uma época em que o inverno era rigoroso por semanas a fio. Diferente da atualidade, quando temos baixas temperaturas por apenas dois ou três dias consecutivos.

Rezava a lenda que o “vento encanado” era capaz de provocar inúmeras consequências graves – físicas e psicológicas – que iam da desfiguração do rosto das pessoas até a morte. Simples assim! Proliferavam histórias (ou estórias?) de pessoas que não deram bola para a fatalidade de uma corrente de ar e resultaram com boca torta, olhos esbugalhados e até orelhas invertidas. Outros teriam enlouquecido, sendo internados em manicômios de onde jamais saíram.

Lamento que à época não contávamos com Google ou outro site de busca para esclarecer boatos e causos que se mantiveram por décadas, varando gerações, semeando o pavor entre a gurizada. O tal ”vento encanado” era uma das tantas fake news com a qual nossa geração conviveu. Nessa categoria, o leite ocupava lugar de destaque. Misturar o líquido branco lácteo com melancia, pêssego, laranja e outras frutas era sinônimo de condenação, que começa com congestão, seguida de morte porque não havia antídoto.

Voltando ao início da crônica, a visita ao parque eólico do litoral ensinou que, ao contrário da crença geral, é na primavera que se registra o maior volume de ventos. Quando o técnico nos questionou, a resposta unânime e errada foi o inverno. Portanto, prezados leitores, tomem cuidado: a romântica estação das flores, do pólen e das árvores floridas que se inicia guarda perigos imensuráveis!

Quando menos se espera, o “vento encanado” estará à espreita, atento a qualquer descuido para fazer suas vítimas. Elas terão sequelas irreversíveis, como bocas tortas, orelhas retorcidas e demência, que entram pelas janelas abertas para espantar o vírus. Não bastasse o confinamento da prisão domiciliar que já dura seis meses, um novo perigo espreita.

LEIA MAIS COLUNAS DE GILBERTO JASPER