Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

BOAS LEITURAS

O que leem e indicam lideranças da região

Foto: Banco de Imagens/Gazeta do Sul

Na biografia de um líder costuma estar evidenciada a trajetória de aprendizagens e de formação, e estas envolvem a leitura, a busca de mais conhecimento, que ofereça subsídios na tomada de decisão. A Gazeta do Sul consultou seis lideranças de entidades e de organismos de Santa Cruz do Sul e da região, cuja proeminência em diferentes áreas e segmentos da sociedade é abrangente e referencial, sobre que livro indicariam para os leitores do jornal.

O resultado é uma seleção de obras de diferentes gêneros, com a compreensível concentração em áreas de gerenciamento e gestão, que merecem a atenção de todos ao longo de 2021. Afinal, em busca da superação do quadro de incertezas na socioeconomia em geral (e diante dos desafios que alcançam a todos), estar municiado com mais conhecimento e com mais base teórica tende a ser fundamental a fim de mudar o mundo para melhor, na prática.


São obras que trazem subsídios para a gestão de pessoas, negócios e projetos, sendo uma espécie de livro de cabeceira para cada uma dessas personalidades. Conheça as dicas e inspire-se a partir dos comentários de cada um sobre o livro. Boa leitura!

Helena Hermany

Prefeita de Santa Cruz do Sul

O banqueiro dos pobres: a evolução do microcrédito que ajudou os pobres, de Muhammad Yunus e Alan Jolis. São Paulo: Ática, 2000. 343 páginas.

“É um livro que me impressionou muito. Quando fiz pós-graduação em Políticas Públicas e Sociais, tivemos de ler um livro e justificar por que nos marcou. Li duas vezes, porque entendo que muda totalmente o conceito do crédito para os pequenos. Fiquei impressionada como o crédito para os micro melhorou a vida das pessoas em Bangladesh, fez a comunidade se organizar. A partir dessa obra, comecei tratativas para o Banco do Povo. Ou seja, o livro fez com que hoje em Santa Cruz tenhamos essa realidade. Aconselho a quem tem essa ideia social, esse pensamento, que o leia; com certeza vai ser grande ganho.”

LEIA TAMBÉM: Casa das Artes exibe acervo particular de Gerda e Paulo Pinho

Benício Albano Werner

Presidente da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra)

O monge e o executivo, de James C. Hunter. Tradução de Maria da Conceição Fornos de Magalhães. Rio de Janeiro: Sextante, 1989. 144 p.

“Um homem de negócios bem-sucedido percebe que está fracassando como chefe, marido e pai. Para retomar o controle da situação, resolve participar de um retiro sobre liderança num mosteiro beneditino, comandado pelo frade Leonard Hoffman, um influente empresário americano que abandonou tudo em busca de um novo sentido para a vida. Ganhou fama no mundo dos negócios por recuperar empresas em crise, transformando-as em exemplo de sucesso. Adotando como princípio: defender que a base da liderança não é o poder e sim a autoridade, conquistada com humildade e amor.”

Roberta Corrêa Pereira

Gerente da unidade operacional do Serviço Social do Comércio (Sesc/Sistema Fecomércio-RS)

As coisas que você só vê quando desacelera, de Haemin Sunim. Tradução de Rafaella Lemos. Rio de Janeiro: Sextante, 2017. 256 p.

“Eis um livro que tem tudo a ver com o momento que estamos vivendo, e com as lições do ano de 2020, apesar de ter sido escrito em 2012. A partir de sua leitura, a pessoa vai refletir sobre a importância de acalmar e descansar a mente, para tomar decisões ou pensar com mais clareza sobre algum assunto. Também vai se dar conta da importância da auto-compaixão, e muito mais. Além de textos e conselhos cheios de sabedoria do autor, que é monge budista, a obra traz lindas ilustrações. Super recomendo essa obra para ler nas férias, e sugiro depois passá-la adiante para a família e os amigos.”

Romeu Schneider

Presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Tabaco e diretor-presidente da Agro-Comercial Afubra Ltda.

Como fazer amigos & influenciar pessoas, de Dale Carnegie. Tradução de Fernando Tude de Souza. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 2003. 318 p.

“Este livro é uma preparação para enfrentar qualquer problema de relacionamento, e um aprendizado para a vida; para ser alguém respeitado e benquisto pelos demais, conquistar seu espaço com mais facilidade. As boas relações com pessoas são cada vez mais necessárias para ter sucesso nas atividades profissionais. Mostra os caminhos que podemos e devemos seguir. Colocar-se no lugar da outra pessoa (ser bom ouvinte) é importante para obter simpatia e respeito. Conquistar a atenção das pessoas é o primeiro passo para o sucesso. Já vendeu mais de 50 milhões de exemplares.”

LEIA TAMBÉM: Autoajuda e finanças lideram a venda de livros na pandemia

Carmen Lúcia de Lima Helfer

Reitora da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc)

21 lições para o século 21, de Yuval Noah Harari. Tradução de Paulo Geiger. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2018. 432 p.

“Este livro é um companheiro de cabeceira. Harari é também autor de Sapiens e Homo Deus. Inicia com a seguinte frase: “Num mundo de informações importantes, clareza é poder”. O livro faz uma travessia pela complexidade que a humanidade vive. Confronta temas urgentes da agenda global e se concentra nos grande dilemas do presente, como questões políticas, sociais, tecnológicas e existenciais e seus impactos na vida cotidiana dos humanos do mundo inteiro. Harari é um historiador brilhante e nos faz refletir sobre qual deve ser nosso envolvimento num contexto de tantos ruídos, incertezas e transformações.”

Iro Schünke

Presidente do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco)

A cabana, de William P. Young. Tradução de Alves Calado. Rio de Janeiro: Sextante, 2008. 240 p.

“Este livro de William P. Young é uma metáfora para investigar o problema da dor. Ele traz importantes reflexões e aprendizados sobre o sofrimento, a fé, o amor e o perdão, levando à superação e à redenção. Penso que é uma leitura bastante oportuna e indicada para esses nossos tempos de pandemia, em que vivenciamos e até somos orientados ao isolamento social, proporcionando uma reflexão no sentido de trazer paz de espírito às pessoas. E, na mesma linha, entendo que essa leitura também se mostra muito importante nestes tempos de divisão das pessoas em extremos opostos, com tanta falta de diálogo.”

LEIA TAMBÉM: Os sebos onde a cultura resiste em Santa Cruz

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.