Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Cultura

O que ler para conhecer melhor o Afeganistão?

Imagem ilustrativa de 2010 | Foto: Institute for Money, Technology and Financial Inclusion (IMTFI)

Terra de cultura milenar e de paisagens belíssimas, o Afeganistão, na Ásia, ocupa as atenções. No dia 15 de agosto, um domingo, o Talibã, grupo islamita radical, retomou o poder afegão no vácuo criado pela saída da tropa norte-americana posicionada no país. Era apenas mais um capítulo dos traumas que a sociedade local vivencia neste século 21.

O epicentro esteve no 11 de setembro de 2001, data em vias de completar 20 anos, quando aviões atingiram as Torres Gêmeas em Nova Iorque. Em reação, os EUA invadiram o Afeganistão atrás de Osama Bin Laden, o líder do atentado, que estaria sendo acobertado pelo Talibã. Em maio de 2011, Bin Laden foi morto no interior do Paquistão, e o Talibã, no Afeganistão, subjugado pela ofensiva norte-americana. Mas, pelo visto, o Talibã soube ter resiliência, e em 2021 está de volta à cena.

Afinal, que país é aquele, e o que o Talibã representa? A Gazeta do Sul indica 10 livros essenciais para entender o contexto histórico, social e cultural da nação, de 38 milhões de habitantes e com território um pouco maior do que a região Sul do Brasil. São obras de jornalistas, escritores e memorialistas. Entre eles, evidencia-se por que a ascensão desse grupo islâmico é tão traumática em especial para o público feminino, tendo em vista que o Talibã busca impor a sharia, a obediência radical aos preceitos do Corão, o que implica em praticamente anular qualquer liberdade para as mulheres.

São leituras para conhecer mais e melhor essa terra que, para o bem ou para o mal, é uma das mais instigantes da história.

LEIA MAIS: Para professor da Unisc, linha ‘paz e amor’ apresentada pelo Talibã é forma de maquiar o momento

O 11 de setembro

A lucidez de chomsky – Com espírito acurado, o linguista, filósofo e professor norte-americano Noam Chomsky, 92 anos, analisa o contexto e as decorrências do atentado terrorista de 11 de setembro de 2001. O livro 11 de setembro, lançado pela Bertrand em 2002, compila entrevistas nas quais Chomsky toca nos principais aspectos daquele acontecimento.

Repórter em ação

Lourival esteve lá – O jornalista goiano Lourival Sant’Anna, repórter e analista internacional do jornal O Estado de S. Paulo, foi um dos profissionais brasileiros a viajar para a Ásia a fim de realizar a cobertura da ação norte-americana contra o Talibã, em 2001. Em Viagem ao mundo dos Taleban, da Geração Editorial, de 2002, detalha aquela experiência.

LEIA MAIS: Afegãs temem volta de dias sombrios do período do Taleban

Que terra é essa?

Um universo à parte – Então jornalista da Zero Hora, Luiz Antônio Araujo, a exemplo de Lourival Sant’Anna, igualmente foi destacado para cobrir o conflito. Em Binladenistão, lançado pela Iluminuras em 2009, investiga as origens do movimento islâmico radical e detalha sua jornada por várias regiões do Oriente e da Ásia durante a cobertura da operação.

Olhar feminino

O mundo do dia seguinte – Colega de Lourival Sant’Anna no jornal O Estado de S. Paulo, Adriana Carranca atua em coberturas internacionais. Ela foi verificar como estava a vida após a ocupação norte-americana. Em O Afeganistão depois do Talibã, lançado pela Civilização Brasileira em 2011, ela capta a atmosfera e a rotina no
país e conversa com a população.

Livreiro em Cabul

Um livreiro (e muito mais) – Experiente em coberturas internacionais, a norueguesa Åsne Seierstad, 51 anos, igualmente atuou como repórter na ofensiva dos EUA contra o Talibã. E ela estava em Cabul, a capital, para de lá conferir o contexto. Foi assim que O livreiro de Cabul, lançado em 2002 e editado no Brasil pela Record, tornou-se
um best-seller mundial absoluto.

LEIA MAIS: Ao menos 37 morrem em ataque talibã a aeroporto de Kandahar, no Afeganistão

Drama bem real

Imagens do cotidiano – Outra jornalista que estava em atuação no ambiente dos conflitos é a norte-americana Harriet Logan. Ela não apenas descreve a experiência como, na condição de fotógrafa, em Mulheres de Cabul, lançado pela Geração Editorial, em 2006, permite ao leitor ter uma panorâmica da condição feminina naquela sociedade tão complexa.

Esperança de quê?

Uma vida nada fácil – Se Harriet Logan mostra a rotina de Cabul em sociedade dominada por preceitos islâmicos rigorosos, a jornalista sueca Jenny Nordberg, 49 anos, descreve, em As meninas ocultas de Cabul, de 2016, a vida de meninas que, em suas famílias, são criadas como meninos, na esperança de fazer a sociedade local acreditar que de fato são garotos.

Malala fala

Uma voz que se levanta – A hoje ativista Malala Yousafzai, 24 anos, era adolescente no vale do Swat, no Afeganistão, quando o Talibã irrompeu na região. Ela seguiu lutando por direito à educação, mas em 2012 foi atingida por um tiro na cabeça, e quase morreu. Em Eu sou Malala, de 2013, lançado pela Companhia das Letras, narra a sua história, de dramática atualidade.

Pipas ao vento

A rotina afegã de dentro – Talvez o nome mais conhecido da literatura afegã no mundo seja o romancista Khaled Hosseini, 56 anos, nascido em Cabul. Sua obra O caçador de pipas tem uma legião de fãs, e no Brasil foi editada pela Nova Fronteira, em 2005 (hoje está na Globo Livros). Outros de seus livros foram traduzidos, como A cidade do sol e O silêncio das montanhas.

Sonho e terror

Cultura muito elevada – Se Khaled Hosseini é best-seller, com narrativa de qualidade, o afegão Atiq Rahimi, 59 anos, também cineasta premiado, tem colecionado elogios com contos e romances. No Brasil, As mil casas do sonho e do terror, de 2003, e Terra e cinzas, de 2002, lançados pela Estação Liberdade, trazem o imaginário do povo afegão.

LEIA TAMBÉM: 11 de setembro completa 19 anos: relembre o atentado

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.