Close sidebar

Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Coluna

Papai Noel não é pirata!

Semana passada, escrevi aqui na coluna sobre um mistério de Natal que intriga nossa caçula, Ágatha: como o Papai Noel consegue descer pela chaminé? Qual a mágica que o Bom Velhinho utiliza para esgueirar-se por um espaço tão estreito? Será que ele – conforme narrei à Ágatha no ano passado – realmente consegue diminuir seu próprio tamanho, adotando aspecto semelhante ao do Pequeno Polegar? Ou será que ele – de acordo com teoria que eu, descuidado, apresentei à caçula já este ano – tem o poder da elasticidade, podendo converter-se em um imenso minhocão vermelho e de botas?

Para Ágatha, contudo, o importante é que os poderes mágicos do Papai Noel, independentemente de quais sejam, realmente funcionam. Esta semana ela teve provas disso, ao constatar que sua cartinha, com a lista de pedidos endereçados ao Bom Velhinho, simplesmente desapareceu. O mesmo ocorreu à carta escrita pela irmã um ano mais velha, Yasmin.

– Deixamos as duas cartas perto do pinheiro – relatou-me Ágatha. – No outro dia, não estavam mais lá. De algum modo, Papai Noel entrou aqui em casa à noite e levou as cartinhas.

Por curiosidade, eu havia espiado as cartas antes que o Papai Noel as levasse. Reparei que as gurias capricharam nos adereços, ilustrando as correspondências com desenhos de árvores de Natal, renas e trenós. Tentaram passar uma boa impressão ao Bom Velhinho, considerando que ele ainda precisava avaliar, cuidadosamente, se ambas comportaram-se bem ao longo do ano.

● ● ●

Mas então a caçula surgiu com mais uma dúvida, esta bem angustiante. Relatou-me ter visto uma ilustração da fábrica do Papai Noel, sediada no Polo Norte, na qual o Bom Velhinho aparecia produzindo brinquedos com ajuda dos duendes.

– Pai, no desenho o Papai Noel tinha serrote e martelo, e fazia brinquedos de madeira. O problema é que pedimos brinquedos de plástico… Será que ele vai trazer uma casinha da Polly de madeira?

Expliquei-lhe então que a fábrica do Papai Noel modernizou-se e também trabalha, no dias de hoje, com plástico. Mas a traquinas seguiu preocupada.

– Mas então o Papai Noel copia os brinquedos que vemos nas lojas? Tipo, falsifica esses brinquedos?

Precisei pensar alguns segundos antes de responder. E essa agora? Minha filha supunha que o Bom Velhinho promovesse a pirataria.

– Claro que não – insisti. – Ele tem todas as licenças…

● ● ●

No dia seguinte saímos ao comércio, eu e a Patrícia, sob pretexto de ir tratar com Papai Noel da entrega dos presentes. Ao retornarmos, fomos bombardeados por perguntas.

– Vocês falaram cara a cara com ele? – quis saber a Yasmin. – Ou foi por videoconferência, por causa da pandemia?

Respondemos ter tratado diretamente com ele, mas respeitando o distanciamento, dado que havia cordões de isolamento.

– E está tudo certo? – preocupou-se Ágatha. – Ele anotou nossos pedidos?

Então, decidimos fazer drama. E a Patrícia relatou que na sala de audiências do Papai Noel havia uma lâmpada suspensa por um longo cabo, interligada a sofisticados computadores, instalados no Polo Norte, que armazenam os dados e relatórios de cada criança.

– Se a lâmpada acende, é porque a criança se comportou bem e poderá receber os presentes. Mas, no caso dos arteiros, a lâmpada não acende.

E Ágatha, já em desespero:

– E acendeu para nós?????

Eu ainda teria feito mistério por mais tempo, mas a Patrícia – coração de mãe – não quis prolongar o drama.

– Claro… E, depois que as menores se afastaram, Isadora, a mais velha das gurias, veio perguntar aos sussurros: – Acendeu pra mim também, né?

● ● ●

Hora do merchandising.

Semanas atrás anunciei aqui na coluna que está para sair meu novo livro, O homem da sepultura com capacete, obra inspirada na história real do austríaco Carl Schreiner – aquele que sobreviveu aoscampos de batalha da Primeira Guerra Mundial, mas acabou perecendo, assassinado, na Sinimbu dos anos 1930, vítima de um amor proibido. A novidade é que o livro chegou da gráfica ao final da tarde desta sexta-feira e, nos próximos dias, divulgaremos aqui na Gazeta os pontos de venda. Enquanto isso, quem quiser reservar o seu e garantir um desconto especial, pode conversar comigo pelo e-mail [email protected].

Eis aí – modéstia à parte – uma opção de presente de Natal para dar aos amigos que gostam de leitura. Mas não adianta só incluir o livro na cartinha ao Papai Noel. Ele não veio tratar comigo dos direitos autorais…

LEIA TODAS AS COLUNAS DE RICARDO DÜREN

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.