Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

SANTA CRUZ

Região terá lockdown no fim de semana, mas Helena Hermany decide não aderir ao fechamento

Foto: Lula Helfer

Este seria o terceiro fim de semana de lockdown em Santa Cruz do Sul, mas prefeita decidiu não adotar o confinamento

A prefeita Helena Hermany (PP) anunciou na tarde desta quinta-feira, 11, que Santa Cruz do Sul não vai aderir ao lockdown regional no próximo fim de semana. Ainda assim, Helena fez um apelo à população para que evite ao máximo a circulação a fim de frear a circulação do vírus.

LEIA MAIS: Novas regras de distanciamento controlado passam a valer nesta segunda

Este seria o terceiro fim de semana de lockdown no município. Segundo Helena, a decisão foi tomada após a conclusão, avalizada por especialistas de saúde, de que restrições mais radicais só teriam um efeito prático significativo se permanecessem em vigor por cerca de 15 dias, o que, conforme a prefeita, é insustentável do ponto de vista econômico. Com isso, o município deve seguir, no sábado, 13, e no domingo, 14, as regras da bandeira preta do modelo de distanciamento controlado do governo estadual.

O anúncio foi feito durante uma coletiva na qual Helena lançou um conjunto de medidas econômicas para mitigar os impactos da pandemia. Na ocasião, a prefeita disse que a decisão foi por dar “um voto de confiança” às pessoas. “Não é um decreto que vai fazer as pessoas mudarem de atitude. É o caráter e a empatia”, falou. Helena pediu ainda que as pessoas fiquem em casa “em respeito aos empresários que não podem abrir seus negócios”.

LEIA MAIS: Seis novas mortes por Covid-19 são confirmadas em Santa Cruz

Na região, haverá lockdown

Após a análise de dados técnicos e científicos sobre o avanço da pandemia, os prefeitos que integram a Associação dos Municípios do Vale do Rio Pardo (Amvarp) decidiram implementar um novo lockdown regional a partir da noite desta sexta-feira, 12, até a madrugada de segunda-feira, 15.

Na assembleia extraordinária realizada na manhã desta quinta, 11, o assessor técnico da entidade e médico infectologista Marcelo Carneiro relatou a situação crítica nos hospitais da Região 28. Às 13 horas, o painel da Secretaria Estadual da Saúde apresentava uma taxa de ocupação de 128% dos leitos de UTI Covid, e 106% nos fora de UTI. O uso de respiradores também seguia acima de 106%.

LEIA MAIS: Vigilância Sanitária de Santa Cruz tem novo número para denúncias

“Em um ano de pandemia, é a primeira vez que existe a real possibilidade de faltar respiradores. O suporte de atendimento está chegando num esgotamento. A curva de uso de oxigênio triplicou e aquelas cenas que assistimos na TV de outros Estados estão perto de acontecer por aqui”, afirmou Carneiro.

Baseados nessas informações e nos relatos de que já estaria havendo uma leve redução no número de novos casos e de pessoas com o vírus ativo, os gestores municipais optaram por repetir as restrições de circulação de pessoas com maior fiscalização. Cada Município está autorizado a definir o período do lockdown e quais serviços e estabelecimentos essenciais funcionarão.

LEIA MAIS: Reflexos do isolamento devem começar a aparecer nos próximos dias

“Só tá abrindo vaga na UTI quando alguém morre. Isto é muito sério e grave. A comunidade precisa compreender a necessidade de mais um lockdown. São dois dias para ficar em casa que farão a diferença ali na frente, todos têm de colaborar nesse momento para cortar a circulação do vírus”, disse o prefeito de Vale do Sol e presidente da Amvarp, Maiquel Silva.

Maiquel ressaltou no encontro que o comércio e outros serviços estão fechados por causa das regras de bandeira preta estipuladas pelo governo do Estado. Ele citou o caso do município de Planalto, no norte gaúcho, que teve uma multa diária de R$ 50 mil fixada pela Justiça por permitir a abertura de estabelecimentos não-essenciais.

LEIA TAMBÉM: “Saí para buscar meus filhos”, diz homem preso durante lockdown

Para o prefeito de Venâncio Aires, Jarbas da Rosa, os números seguem alarmantes, mas “já começamos a enxergar uma luz no fim do túnel após os finais de semana de lockdown”.

Conforme a prefeita de Sinimbu, Sandra Backes, a região inteira está passando por uma situação muito preocupante. “Só mudamos de endereço, os problemas são os mesmos na sua maioria. Com muito trabalho de conscientização e fiscalização, conseguimos manter Sinimbu na regra 0-0, sem internações e óbitos. Mas agora já chegamos a 7 mortes e estamos com 15 internados no hospital. É fundamental esta medida que estamos tomando em nível regional para evitar um colapso maior”.

Com informações da Assessoria de Comunicação da Amvarp.

LEIA MAIS: ACOMPANHE A COBERTURA COMPLETA SOBRE O CORONAVÍRUS

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.