Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

Irmãs de Maria

Santuário de Schoenstatt vai mudar de endereço após mais de quatro décadas

Foto: Rodrigo Assmann

Após 43 anos, o Santuário de Schoenstatt vai mudar de endereço. As Irmãs de Maria irão residir na Rua Thomaz Flores, 759, no Centro de Santa Cruz do Sul, e seguirão com atividades pastorais. A justificativa para a saída da localização atual, à margens da BR-471, no Bairro Santuário, é a falta de segurança e consequente redução de visitas para orações. Com isso, chegou-se à conclusão de que a missão proposta pelo Movimento Apostólico de Schoenstatt não estava sendo plenamente cumprida. O objetivo agora é a venda da área para aplicação dos recursos na construção de um novo santuário, em ponto mais central.

Em 2019, a 43ª Romaria ao Santuário de Schoenstatt atraiu cerca de 30 mil pessoas, em uma caminhada de 3,8 quilômetros. O espaço foi inaugurado em 11 de dezembro de 1977. No mundo todo, existem 150. O Movimento Apostólico de Schoenstatt faz parte da Obra Internacional de Schoenstatt, fundada pelo padre José Kentenich em 18 de outubro de 1914, em Vallendar, às margens do Rio Reno, na Alemanha.

O Conselho de Administração Paroquial da Catedral São João Batista informou a transferência das religiosas por meio de um comunicado. Já as Irmãs de Maria de Schoenstatt redigiram uma carta aberta para expor as razões da mudança à comunidade.

No texto, elas expressaram gratidão pelo carinho, apoio e apreço recebidos em quase 45 anos de atuação. “Foi muito o que recebemos e também muito o que pudemos dar por nossa atuação no Movimento Apostólico de Schoenstatt, na catequese da Catedral e dos bairros, no campo social, no atendimento de pessoas carentes, e também nucleando e formando comunidades”, diz trecho do documento.

LEIA TAMBÉM: Padre Matheus comenta declaração do papa sobre união civil entre pessoas do mesmo sexo

Irmãs de Maria vão residir em residência na Thomaz Flores, onde será a sede provisória | Foto: Alencar da Rosa

A carta afirma que Maria acolheu seus filhos e distribuiu graças e confortos a milhares de pessoas que, no santuário, fizeram pedidos ou agradeceram. A importância do lugar é resumida pela frase “todos os que vierem aqui para rezar, hão de experimentar as glórias de Maria e exclamar: aqui é bom estar!”, proferida pelo padre José Kentenich em 1914, na inauguração do santuário original da Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt.

Ainda conforme o texto, as visitas foram escasseando nos últimos anos em razão da falta de segurança. Pela dificuldade de deslocamento, as reuniões dos grupos e encontros do movimento não puderam acontecer regularmente. O número de irmãs foi reduzido pela falta de ingresso de vocacionadas.

LEIA TAMBÉM: Papa Francisco defende união civil entre homossexuais

“Numa reflexão conscienciosa e séria, durante os últimos anos, vimo-nos perguntando: o santuário está cumprindo a sua missão ali onde está localizado? Certamente, o local atual do santuário é belíssimo, mas seria isso o mais importante para que cumpra sua missão em Santa Cruz do Sul? Um lugar onde apenas alguns sejam privilegiados com condições de frequentá-lo, diminuindo cada vez mais a procura pelo santuário como local de oração e espaço católico e sim procurado como parque, sendo visitado para outras práticas que não condizem com o ambiente sagrado?”, aparece em outro trecho.

A ideia de uma nova localização para o santuário começou a amadurecer há três anos. A intenção era a transferência para um local mais acessível e central em Santa Cruz. “O santuário é o coração pulsante da obra de Schoenstatt. Se ele parar de pulsar, isto é, se ele não puder ser visitado, se Maria não tiver a oportunidade de distribuir ali suas graças, porque as pessoas não conseguem chegar até ela, qual é o sentido de ter um santuário nesta cidade?”, questionam as irmãs. “Quando da sua construção, nós, Irmãs de Maria de Schoenstatt, assumimos a responsabilidade pelo santuário e para que ele cumpra sua função como tal”, complementam.

LEIA TAMBÉM: A santa-cruzense à frente da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil

Pedido de compreensão
Na carta à comunidade, as irmãs pedem a compreensão de todos para que possam ter melhores condições de atuar no apostolado mariano. “Maria vai conosco na sua imagem de graças e continuará a acolher os filhos que a ela acorrerem”, destacam. A intenção para o futuro é a aquisição de um terreno próprio, no Centro, para a reconstrução do santuário, por meio dos recursos obtidos com a venda da área na BR-471. Por enquanto, a casa da Thomaz Flores vai ser residência das irmãs e irá acolher os grupos do movimento.

A imagem de graças de Nossa Mãe e Rainha, o altar e os móveis também serão levados para a nova sede. “Aqui queremos manifestar nossa gratidão ao conselho da paróquia da Catedral na pessoa do seu presidente, o senhor Paulo Roberto Habekost, e do pároco Roni Fengler, que colocaram à nossa disposição a casa onde já moramos por vários anos”, agradecem. Em contrapartida, elas irão colaborar nas atividades pastorais da paróquia São João Batista.

“Pedimos que todos os que amam a Mãe e Rainha de Schoenstatt (e são muitos) também rezem pedindo as luzes do Espírito Santo para tomarmos as decisões que correspondam à vontade de Deus. Desde já nosso ‘muito obrigada’ pela compreensão e apoio de todos. Que Deus, pela intercessão de nossa Mãe Três Vezes Admirável de Schoenstatt, abençoe a cidade de Santa Cruz do Sul”, encerra a carta, assinada pela superiora provincial, irmã Lillian Goerck.

LEIA TAMBÉM: ‘Parem de instrumentalizar as religiões para incitar ao ódio’, pede Papa Francisco

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.