Close sidebar

Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

INTERNACIONAL

Talibã diz que mulheres poderão estudar no Afeganistão, mas separadas dos homens

Imagem de 2010 | Foto: Institute for Money, Technology and Financial Inclusion (IMTFI)

O Talibã afirmou, neste domingo, 29, que vai autorizar a presença de mulheres nas universidades durante o governo, mas estudando separadas dos homens. O grupo fundamentalista islâmico, que voltou ao poder no Afeganistão após 20 anos, havia prometido não proibir meninas e mulheres de frequentarem a escola, como fez anteriormente. “O povo do Afeganistão continuará tendo ensino superior de acordo com as regras da sharia (lei islâmica) que proíbe classes mistas”, disse o ministro do Ensino Superior do Talibã, Abdul Baqi Haqqani, em uma assembleia com membros do alto escalão do grupo.

A permissão, ainda que sob influência da sharia, está dentro do discurso de moderação que o grupo tenta emplacar. A mudança de atitude, porém, é vista com ceticismo. Segundo uma estudante que trabalhou na cidade universitária durante o último governo, não havia mulheres na reunião – o ministro falou apenas com professores e alunos do sexo masculino. Para ela, isso mostra a prevenção sistemática da participação das mulheres nas decisões e a distância entre as palavras do Talibã e as ações práticas. O número de universitários aumentou nos últimos 20 anos, principalmente entre mulheres que estudam com homens e participam de seminários ministrados por professores do sexo masculino.

LEIA MAIS: Afegãs temem volta de dias sombrios do período do Taleban

Desde que se pronunciou pela primeira vez após a tomada de poder, o grupo fundamentalista trabalha em uma campanha para tentar convencer o país e o mundo de que não repetirá o regime atroz que comandou de 1996 a 2001. Na primeira entrevista coletiva desde a tomada de Cabul, o porta-voz Zabihullah Mujahid disse que o Talibã quer paz, negou represálias contra antigos adversários e afirmou que os direitos das mulheres serão protegidos – mas a ressalva, dentro do “arcabouço do Islã”, já estava clara nesse primeiro pronunciamento.

Na ocasião, a declaração de Mujahid foi reforçada por uma fala de Enamullah Samangani, membro da comissão cultural do Talibã, a jornais paquistaneses. “O Emirado Islâmico não quer que as mulheres sejam vítimas. Elas devem estar na estrutura do governo de acordo com a sharia“. Apesar das garantias, não estava claro como seria essa estrutura. No passado, a interpretação radical da lei islâmica levou a extremos em regiões controladas por grupos como o Talibã, o Estado Islâmico e o governo da Arábia Saudita. Sob o governo do grupo fundamentalista no Afeganistão, por exemplo, mulheres eram alvo prioritário da repressão brutal.

LEIA MAIS: Procuradoria cobra posicionamento de Bolsonaro sobre refugiados do Afeganistão

Ainda que haja gradações diferentes de aplicação, por via de regra as mulheres são relegadas a papéis subalternos na vida pública e elevadas à condição de “rainhas do lar”. No poder, o Talibã levou esse aspecto ao paroxismo. A educação de meninas tinha de ser feita em casa, não havia saúde pública para mulheres e os corpos totalmente cobertos por burcas simbolizavam ao Ocidente tal repressão.

As burcas são tradicionais entre pashtuns, a etnia majoritária do Afeganistão à qual o Talibã pertence, mas a obrigatoriedade chocou o mundo. Na prática, elas seguiram sendo usadas por muitas mulheres nos últimos 20 anos, principalmente fora de Cabul. O Talibã afirmou que iria exigir o uso de hijab, o véu que cobre a cabeça e os ombros e deixa o rosto à mostra. Ao longo das duas décadas de presença ocidental, houve avanços no país. Escolas e hospitais abriram para mulheres, elas integraram as Forças Armadas e a polícia, e os EUA gastaram US$ 780 milhões em programas de inclusão.

LEIA MAIS: Taleban toma o poder no Afeganistão, após saída de tropas americanas; entenda

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.