happy hour 04/02/2019 00h46 Atualizado às 10h10

Garopaba encantadora

Lembrei-me da história bíblica da multiplicação de pães e peixes, quando Jesus saciou a fome de milhares. Só que em Garopaba a situação se complicou

Fora da temporada, gosto de levar alguns amigos para Garopaba e me torno um guia turístico de luxo. Outro dia, levei o Mauro, aposentado e habilidoso com as panelas, o Schera, sócio do restaurante Arroio Grande, e o Alemão, pedreiro, motorista de caminhão e marceneiro. Levei-os para os altos da Prainha do Vigia para conhecerem as belíssimas paisagens e as casas suntuosas dos megaempresários e altos funcionários das estatais, que ali constroem palácios com vista panorâmica para o mar.

Também assistimos a um movimento surpreendente de gente estacionando seus veículos nas estreitas ruas que ladeiam a encosta da Praia do Vigia. Surpreso com o movimento inusitado, perguntei a um motorista o que estava acontecendo. Respondeu-me que os pescadores haviam cercado um enorme cardume de tainhas e estavam puxando as pesadas redes cheias de peixes para a praia. Quando lá chegamos, havia três montanhas de tainhas. Somavam toneladas.

Lembrei-me da história bíblica da multiplicação dos pães e dos peixes, milagre quando Jesus saciou a fome de milhares de pessoas. Só que em Garopaba a situação se complicou. Na hora da repartição dos peixes, deu briga entre os pescadores. Um garçom me disse que o entrevero foi feio. Até os meus amigos flagraram um guri fugindo com dois peixes debaixo dos braços. Sumiu feliz da vida, com a janta garantida. Nem a Madá se deu conta do delito. Havia me falado que estava cuidando para evitar os roubos, mas o piá fora mais habilidoso.   

Muitos turistas que veraneiam em Garopaba não se limitam a tomar banho na praia do Centro. Quem tem carro, procura outras praias ao redor. Os jovens e os casais que têm filhos pequenos procuram a Ferrugem. À noite, a maré sobe e se encontra com o Rio da Encantada. Esse vaivém das águas deixa possas d’água rasas, uma delícia para as crianças. Os jovens se encontram nas imediações do Bar do Zado. Lá se reúnem as mais belas garotas e os rapazes sarados, que gostam de praticar o surf nas ondas que se formam na praia da Ferrugem.

Levei meus amigos até essa praia. Expliquei-lhes o porquê de sempre fazer questão de visitar a Ferrugem e tomar minha cerveja bem gelada servida no Bar do Zado. Além disso, nada mais prazeroso do que me recordar da minha juventude e apreciar as belas meninas estiradas na areia com seus minúsculos biquínis. Existem pontes de madeira para que os pedestres caminhem até o mar, preservando a vegetação costeira.

Garopaba é rodeada de praias. Se o turista estiver disposto, pode conhecê-las: Gamboa, Siriú, Silveira, Barra, Ouvidor, Rosa. Cortando o caminho pela Gamboa, chega-se à BR-101 e vais até a Guarda do Embaú, Sonho e Pinheira. Seguindo mais 80 quilômetros, estará em Florianópolis. Garopaba é encantadora!