Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

HAPPY HOUR

Ano das eleições em 2022

Estou em Garopaba em companhia de familiares que estão de férias ou que trabalham em home office. Trouxe de carona a Yorkshire Mili, que não poderia ficar em casa ou em hotel de cães. Seria uma judiaria, que as mulheres lá de casa não admitiriam. Falando nisso, os filhos que administram a Haeser Seguros falaram-me que até existe seguro para pet, comercializado pela empresa. Tempos modernos!

As praias gaúchas e catarinenses estão lotadas, movimentando os bares, restaurantes e comércio. Os supermercados têm longas filas nos seus caixas. Só vejo o uso da máscara nos ambientes internos dos estabelecimentos. Finalmente, as pessoas acreditam que, vacinadas, estão protegidas do terrível vírus que vitimou entes queridos de algumas famílias. A vida que segue, como diz meu amigo Cegonha, garçom do Le Chef. 

No 2021 que passou, tivemos muitas turbulências causadas pelo “Fica em casa e a economia vemos depois”, causada pelo lockdown de 2020. Sentimos no bolso a inflação de volta com o aumento das mercadorias em geral. Os pobres ficaram mais pobres e o poder de compras da classe média diminuiu. Esse fenômeno aconteceu no mundo. Bolsonaro é o culpado, falam os mal-informados.

Lembram-se da CPI da Covid, que não levou a nada e serviu só para dar palanque aos senadores Aziz, Renan e Randolfe, que apareciam todas as noites nos noticiários das TVs? Chegaram à conclusão de que o presidente fora o único culpado pelas mortes do surto do vírus, esse genocida que atrasou em comprar as vacinas… Hoje temos os mais altos índices de vacinação do mundo.

Em três anos de governo, Bolsonaro foi alvo de 143 pedidos de impeachment e em 2021 foram 84 denúncias por crime de responsabilidade. A oposição é intensa desde 2018 e não é propositiva para o bem do Brasil, e sim, tem o claro propósito de desgastar a imagem do presidente para 2022. A oposição é necessária, mas não pode ser leviana e falaciosa.

Sou uma pessoa que torce para que este nosso rico Brasil se transforme em uma Nação gigante e que nos torne autossuficientes no futuro. Já estou prevendo um ano difícil por causa das eleições. Há muitos interesses em jogo na busca da presidência da república.

As pessoas mais atentas à política já devem ter-se dado conta de que a principal eleição é dos senadores e deputados. Sem o seu apoio, o Executivo não pode encaminhar as principais reformas que urgem. Além disso, o Senado é a única instituição que pode “impichar” um ministro do STF, e se autoprotege. Há muitos senadores com processos pendentes nas gavetas dos ministros.

O parlamento terá R$ 4,7 bilhões para a eleição de 2022 e mais o fundão dos partidos de R$ 1 bilhão. Aprovaram essa indecência nos últimos minutos do ano de 2021. Tomem nota daqueles que votaram a favor desse absurdo e os expulsem da política através do voto. É a única arma que nos resta.

LEIA OUTRAS COLUNAS DE CLÓVIS HAESER

Quer receber as principais notícias de Santa Cruz do Sul e região direto no seu celular? Então faça parte do nosso canal no Telegram! O serviço é gratuito e muito fácil de usar. Se você já tem o aplicativo, basta clicar neste link: https://t.me/portal_gaz. Se ainda não usa o Telegram, saiba mais sobre o app aqui e veja como baixar.

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.