Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

1 ANO APÓS ENXURRADA

“Até hoje temos uma demanda muito grande”, diz coordenador da Defesa Civil

Foto: Rafaelly Machado

Há um ano moradores de diversos bairros de Santa Cruz do Sul viveram momentos de tensão por causa de um temporal que provocou alagamentos e estragos em residências, consequência da força da água. A enxurrada de 28 de janeiro de 2021 registrou 112 milímetros de precipitação entre 18h30 e 19h30. Para dar conta de atender as famílias, a Prefeitura montou uma força-tarefa.

Este trabalho foi comandado pela Defesa Civil. O coordenador do órgão no município, Anderson Mattos, diz que ainda há trabalho sendo feito para evitar situações como a do ano passado. Confira a entrevista:

LEIA MAIS: Um ano depois do temporal, moradores ainda se recuperam das perdas sofridas

Gazeta – No dia do alagamento, qual foi a primeira atitude a ser tomada pelas equipes da Defesa Civil?

Anderson Mattos – De imediato, começamos a receber chamadas e ligações por conta do evento e a prestar atendimento às pessoas isoladas e em condições de perigo. O pessoal nos acionou para fazer o resgate das vítimas. Conforme a demanda ia crescendo, mais recursos foram sendo acionados, como a Guarda Municipal, para apoiar nas atividades. O pessoal ficou até as 2 horas da madrugada fazendo esse atendimento emergencial, retirando pessoas que estavam isoladas nas casas, dentro de automóveis. Contamos também com o apoio dos bombeiros.

Até hoje, quais são os problemas que ficaram como consequência do alagamento?

A tubulação pluvial rompeu debaixo do solo e surgiram buracos. Até hoje, não conseguimos identificar todos os pontos de obstrução que foram rompidos. Simplesmente se abre uma cratera e a gente consegue reparar alguns trechos, mas a principal consequência são os muitos danos em vias e calçadas por causa dos rompimentos de tubulações.

LEIA MAIS: FOTOS E VÍDEOS: chuva torrencial causa alagamentos em Santa Cruz

Ainda há trabalho sendo feito em relação ao fato?

Sim. Ainda tem uma série de medidas que estão projetadas e entrarão em execução, para evitar que existam novos desastres como foi em 28 de janeiro. Revisão, aumento de galerias, troca de tubulações, reparos em tubulações que estão rompidas e ainda surgem. Até hoje temos uma demanda muito grande, é só passar uma chuva que aparece um rebaixamento, que a gente identifica e vai lá trabalhar. Então, ainda estamos tomando várias medidas com relação ao que foi causado de estragos naquela chuva, e isso vai perdurar por algum tempo. Conforme forem surgindo os problemas, vamos atacando.

Quais foram os bairros mais atingidos?

A demanda foi muito grande na área central. Ali na antiga Verena, Santo Inácio, essa área foi bastante atingida pelo volume de água, mas também temos alguns outros pontos. Por exemplo, nos bairros Esmeralda, Senai, Goiás, Schultz, ainda há situações que são relacionadas à chuva.

LEIA MAIS: Chuva acumulada chegou a 1 milhão de litros d’água por quadra da zona urbana

O que é preciso fazer para evitar novos casos de alagamentos como os daquele dia?

Primeiramente, está sendo feita uma revisão nas galerias. Aquela chuva foi muito atípica, não há muito o que fazer para evitar uma precipitação daquele tipo. E ela pode vir de novo a qualquer momento. Mas para chuvas parecidas e até menores – até porque não dá para pensar naquele volume intenso como referência – cabem medidas como revisão nas galerias, uma legislação que faça com que as pessoas não coloquem toda essa água no sistema, que armazenem, que seja feita uma legislação para que os novos empreendimentos tenham essa retenção, façam essa captação. Também é necessário fazer uso racional da água, armazenando-a para épocas como as que estamos vivendo agora. Essas são medidas que vão evitar que aconteçam alagamentos como o de 28 de janeiro do ano passado.

LEIA MAIS: FOTOS E VÍDEO: ‘Minha filha está em choque, não para de chorar’, diz morador do Santo Inácio

Quer receber as principais notícias de Santa Cruz do Sul e região direto no seu celular? Então faça parte do nosso canal no Telegram! O serviço é gratuito e muito fácil de usar. Se você já tem o aplicativo, basta clicar neste link: https://t.me/portal_gaz. Se ainda não usa o Telegram, saiba mais sobre o app aqui e veja como baixar.

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.