Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

101,7 FM

Chá da Uma completa um mês desde o retorno

Foto: Rafaelly Machado/Banco de Imagens

Equipe composta por 12 mulheres aborda temas da atualidade, com descontração

Nesta quarta-feira, 13, o programa Chá da Uma, da Gazeta 101,7 FM, completa um mês desde que retornou à programação da emissora. Esse é o terceiro ano que conta com o programa na grade, das 13 às 14 horas, de segunda a sexta-feira. O Chá teve sua estreia em 2018, seguindo até 2019, porém foi interrompido no início da pandemia da Covid-19 em 2020, já que envolve debate e presença de mais de uma pessoa no estúdio.

Participam do programa 12 mulheres de diferentes setores da Gazeta Grupo de Comunicações. A cada dia da semana, uma dupla é responsável pelos debates no programa, que tem o comando da jornalista Aline Silva. A ideia é tratar de assuntos da atualidade, com muita descontração. O programa, que é um dos favoritos do público, reúne conteúdo, música e interação pelas redes sociais. 

A âncora avalia positivamente o primeiro mês desde o retorno do Chá da Uma. Agora, a ideia é debater com as colegas de mesa sobre os rumos do programa. “Esse primeiro mês valeu para vermos o quanto o pessoal gosta do Chá, que é um programa que aborda os temas mais variados, com as pessoas mais variadas. Agora, precisamos sentar e conversar para que cada uma de nós dê o seu aval, porque a primeira semana é de muito entusiasmo, na segunda semana o pessoal começa a assimilar o que é, e na terceira semana a galera já sabe, já vem mais decidida. São essas duas últimas semanas que a gente começa a ver como a coisa está funcionando de verdade”, considera Aline.

LEIA MAIS: Mulheres da Gazeta retornam ao ‘Chá da Uma’ a partir desta segunda-feira

A jornalista também observa que o grupo está comprometido em fazer a proposta do programa se concretizar. “O desafio maior daqui para frente é manter esse entusiasmo, engajamento, comprometimento, esse gás inicial, para só poder melhorar.”

Além da participação das mulheres da Gazeta, o programa também oportuniza às ouvintes expressarem suas visões por meio da interação disponibilizada pelas redes sociais. “Somos muitas e com pensamentos bem diversificados, nem tudo que uma acredita a outra também, mas esses contrapontos nos fazem manter o diálogo, é uma oportunidade de dar voz e também apresentar outras características de nós”, salienta Aline.

Para o gerente de produtos das rádios Gazeta, Pepe Soares, o primeiro mês superou as expectativas. “O envolvimento das meninas está fazendo com que o projeto já esteja muito além do que se poderia imaginar e isso tudo é mérito da equipe que abraçou a causa, da audiência que entendeu e está interagindo e a disposição de todas de realizar mais do que apenas um programa apresentado por mulheres, mas todo um universo que precisa ser ouvido, compreendido, aceito e aplaudido pela forma como está sendo abordado, não criando um nicho, mas interagindo com todos os demais”, disse.

LEIA TAMBÉM: Pelo 4º ano consecutivo, Rádio Gazeta é a mais lembrada do interior

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.