Close sidebar

Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

OBJETIVA MENTE

Personalidade borderline

A característica essencial do transtorno da personalidade borderline é um padrão difuso de instabilidade das relações interpessoais, da autoimagem e de afetos, com impulsividade acentuada, que surge no começo da vida adulta e está presente em vários contextos. É diagnosticado predominantemente em indivíduos do sexo feminino (75%).

Tentam de tudo para evitar abandono real ou imaginado. A percepção de uma separação ou rejeição iminente ou a perda de estrutura externa podem levar a mudanças profundas na autoimagem, no afeto, na cognição e no comportamento. Vivenciam medos intensos de abandono e experimentam raiva inadequada mesmo diante de uma separação de curto prazo realística ou quando ocorrem mudanças inevitáveis de planos.

Tais medos de abandono têm relação com intolerância a ficar só e necessidade de ter outras pessoas ao redor. Os esforços desesperados para evitar o abandono podem incluir ações impulsivas como automutilação ou comportamentos suicidas. As pessoas com esse transtorno apresentam um padrão de relacionamentos instável e intenso.

Podem idealizar companheiros potenciais em um primeiro ou segundo encontro, exigir ficar muito tempo juntos e partilhar os detalhes pessoais mais íntimos logo no início de um relacionamento. Entretanto, podem mudar rapidamente da idealização à desvalorização, sentindo que a outra pessoa não se importa o suficiente, não dá o suficiente e não está “presente” o suficiente. Estão propensos a mudanças dramáticas e repentinas na forma de enxergar os outros.

Mostram impulsividade em pelo menos duas áreas potencialmente autodestrutivas. Podem apostar, gastar dinheiro de forma irresponsável, comer compulsivamente, abusar de substâncias, envolver-se em sexo desprotegido ou dirigir de forma imprudente. Apresentam recorrência de comportamento, gestos ou ameaças suicidas ou de comportamento de automutilação.

Suicídio ocorre em 10% dos casos, sendo que atos de automutilação e ameaças e tentativas de suicídio são muito comuns. Indivíduos borderline podem demonstrar instabilidade afetiva devido a acentuada reatividade e irritabilidade do humor. Facilmente entediados, podem estar constantemente buscando algo para fazer. Com frequência, expressam raiva inadequada e intensa ou têm dificuldades em controlá-la. Podem demonstrar sarcasmo extremo, amargura persistente ou ter explosões verbais.

A raiva é geralmente provocada quando o companheiro é visto como negligente, contido, despreocupado ou como alguém que abandona. Perdas de emprego recorrentes, interrupção da educação e separação ou divórcio são comuns. Abuso físico e sexual, negligência, conflito hostil e perda parental prematura são mais comuns em histórias de infância daqueles com o transtorno da personalidade borderline. Ter ou conviver com o transtorno da personalidade borderline é extenuante. Tratar é um grande desafio e com resposta, infelizmente, limitada. Nosso desafio é estabelecer vínculos estáveis e saudáveis com nossas crianças, a fim de minimizar o desenvolvimento desse transtorno. Uma vez desenvolvido, terapia e medicação podem contribuir com estabilidade e controle das ideações suicidas.

LEIA OUTRAS COLUNAS DE VINÍCIUS ALVES MORAES

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.