Close sidebar

Rádios ao vivo

Leia a Gazeta Digital

IDEIAS E BATE-PAPO

Sobreviver

É inédita a quantidade de conteúdos que recebemos através do celular, de maneira especial pelo WhatsApp. Com boa vontade, pode-se dizer que 90% do total sequer merece atenção além dos 10 primeiros segundos. Mas, como sempre, há exceções. Como jornalista, gasto muitas horas todos os dias consumindo conteúdos sobre vários assuntos.

O amigo e radialista João Demachi, da Rádio Eco do Vale, do município de Pouso Novo, enviou-me um vídeo de pouco mais de três minutos. Nele, um psiquiatra não identificado tece comentários relativos à pandemia. Ele recorda que desde 2020 o cotidiano é um desafio emocional sem precedentes para a nossa geração.

Observa que o termo “resiliência” que, em resumo, é a capacidade humana de adaptação e recomeço diante das agruras da vida, está seriamente ameaçado pelo prolongamento do cotidiano devastador. “Não existe remédio para o otimismo”, explica, porque se trata de uma atitude individual diante da realidade, sem droga ou medicamentos para repor a falta.

Mais adiante, ele recomenda que deixemos de mandar mensagens escritas ou áudios por Whats para apostar em ligações “ao vivo” para as pessoas queridas que fazem a diferença em nossas vidas. A eficácia dessa prática eu mesmo posso testemunhar. Na semana passada liguei (para o telefone convencional) para um tio com quem há 20 anos não conversava. Ele é meu padrinho, homem de múltiplos talentos artísticos, toca um sem-número de instrumentos, um ser humano especial.

Há um mês ele ficou viúvo (minha tia não morreu de Covid!), mas não perdeu o alto astral, característica marcante do tio Dittmar Kirsch, de Lajeado. Relatou que o carinho das filhas tem sido o combustível fundamental para viver. Disse, ainda, que telefona com frequência para outros parentes.

– Além de me manter ocupado, aproveito para saber de todas as fofocas da família, coisa que fazíamos em aniversários e outras comemorações. Também dou boas risadas, lembro dos nossos festejos de Natal, Ano Novo e tantos outros momentos felizes que agora estão proibidos – acrescentou entre gostosas risadas.

Voltando ao vídeo, o psiquiatra fez outra recomendação:

– Ouvimos o dia todo o “fique em casa”, mas eu digo: “saia de casa”, em horários de pouco movimento e com todos os cuidados sanitários – adverte.

Ele diz que caminhar, ver a natureza, as pessoas e os detalhes imperceptíveis ao andar de carro ou transporte coletivo são bálsamo para resistir às tragédias.

– Esta postura pode até não dar um novo propósito de vida, mas estimula a esperança, fortalece a resiliência tão necessária em época de más notícias e perdas tão próximas – conclui o profissional de saúde mental.

LEIA MAIS COLUNAS DE GILBERTO JASPER

Mais sobre

Aviso de cookies

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdos de seu interesse. Para saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade.