Mitos x verdades: uso de repelentes em bebês

29/10/2019 10:50:21
Foto: Divulgação

As dúvidas surgem e os boatos, muitas vezes, falam mais alto. A Nutriex, marca especialista em cosméticos para bebês e crianças, traz informações importantes para os papais e mamães de primeira viagem ou mais experientes, esclarecendo alguns mitos e verdades sobre o uso de repelentes nos pequenos. A fabricante também recomenda consultar o pediatra e, caso haja suspeita de qualquer reação adversa ou intoxicação, lave a área exposta com água e sabão e procure por auxílio médico.

Bebês menores de 6 meses não podem utilizar repelentes.

Verdade! Os pequenos não devem usar nenhum tipo de repelente antes do sexto mês, apenas fazer uso de medidas preventivas como mosquiteiros, por exemplo. Quando o bebê completar seis meses, os pais podem aplicar repelentes à base de IR3535. Acima de dois anos, os produtos podem ser à base de DEET (em concentração máxima de 10%) e Icaridina (em concentração de 25%).

Repelentes não são seguros à saúde das crianças/bebês.

Mito! Antes de serem disponibilizados no mercado, os repelentes passam por testes de segurança e eficácia. É importante respeitar as instruções de uso e faixa etária e vale fazer um teste em pequenos pontos do corpo, para garantir que não haja reações alérgicas, coceiras ou vermelhidão.

Não é preciso aplicar o repelente por baixo da roupa.

Verdade! Aplique somente nas partes expostas do corpo e, se houver necessidade, utilize opções em spray sobre a roupa. Importante ressaltar que o produto não deve ser aplicado sobre pele lesionada ou que já esteja irritada.

Repelentes caseiros formulados à base de citronela, andiroba e óleo de cravo, entre outros, são tão eficazes quanto os repelentes oficialmente comercializados.

Mito! Produtos caseiros não têm eficácia comprovada pela Anvisa.

O repelente deve ser o primeiro produto a ser aplicado na pele

Mito! Ele deve ser o último, desta forma os demais produtos e componentes não irão se misturar ao repelente. Lembre-se que é preciso esperar a loção hidratante, por exemplo, secar primeiro, para depois aplicar o repelente por cima.

P { margin-bottom: 0.21c

Postado por MICHELLE TREICHEL- michelle@gazetadosul.com.br
Gazeta Grupo de Comunicações
Rua Ramiro Barcelos, 1206 | Santa Cruz do Sul - RS
(51) 3715-7800 | portal@gaz.com.br
Desenvolvido e Mantido por
Equipe de TI Gazeta Grupo de Comunicações