Preservação 12/03/2019 03h32 Atualizado às 07h55

Produtor rural de Agudo recebe homenagem nesta terça-feira

Laurindo Bernardo Beling, de Linha dos Pomeranos, ganhará o título de Agricultor Conservacionista durante a Expodireto

A agricultura regional mais uma vez se coloca em lugar de destaque no Estado por seu caráter inovador e, ao mesmo tempo, preservacionista. Na tarde de hoje, na Expodireto Cotrijal, em Não-Me-Toque, o produtor rural Laurindo Bernardo Beling, da localidade de Linha dos Pomeranos, na região serrana de Agudo, receberá homenagem como Agricultor Conservacionista do Solo e Produtor de Água do Rio Grande do Sul no Sistema Silvipastoril. A iniciativa é do governo do Estado, por meio da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, e a cerimônia inicia-se às 16 horas, durante o 4º Fórum Estadual de Conservação do Solo e da Água, no auditório central da Expodireto.

Seu Laurindo, de 73 anos, e a esposa Lira, de 70, conduzem sozinhos duas propriedades que, juntas, possuem em torno de 60 hectares. Dessa área, cerca de 15 hectares são de reflorestamento com eucalipto, em diferentes estágios de desenvolvimento, para produção de lenha e também para madeira de serraria. Nos últimos anos, parcela desse reflorestamento foi implantado através do sistema silvipastoril, com a criação de gado de corte entre as fileiras de eucalipto. O excelente desempenho dessas atividades consorciadas já havia resultado no Prêmio Feira da Floresta, da Associação Gaúcha de Empresas Florestais (Ageflor), que Beling recebeu em 2017, em Gramado.

Além da silvicultura e da pecuária, seu Laurindo e dona Lira ainda arrendam cerca de 20 hectares para o cultivo de soja, área igualmente contemplada com ações de conservação do solo, em especial a formação de cobertura vegetal na entressafra – o que ainda assegura pastagem para os animais durante o inverno. Em paralelo, quatro açudes permitem a criação de peixes, ao mesmo tempo em que asseguram fartura de água para o gado.

Uma das preocupações centrais de Laurindo é com a preservação e com a conservação da mata nativa, bem como os cuidados com as fontes de água. Três delas foram recuperadas. Em uma Beling implantou uma placa de energia fotovoltaica para levar a água até a sede da propriedade, atendendo às necessidades da família. E outra ainda fornece a água que hoje abastece a toda a comunidade local.

Todo esse conjunto de ações integradas, que asseguram renda e ao mesmo tempo promovem a preservação do meio ambiente, tem acompanhamento regular há mais de três décadas da equipe do Escritório Municipal da Emater de Agudo. E o sistema silvipastoril, pelos resultados alcançados, inclusive foi ampliado, abrangendo mais uma área reservada ao pastoreio do gado.