Santa Cruz 20/06/2018 13h14 Atualizado às 07h50

Unisc anuncia decisão sobre a oferta do Fies no próximo semestre

Após inadimplência, governo federal modificou as bases do programa, considerando a universidade como responsável pela dívida dos alunos

Seguindo a tendência de muitas universidades do Rio Grande do Sul, a Universidade de Santa Cruz do Sul não irá aderir ao Financiamento Estudantil (Fies) no segundo semestre de 2018. Após a modificação do programa, que torna a instituição solidária à dívida dos alunos, a universidade decidiu não ofertar o financiamento.

Conforme o pró-reitor de Administração da instituição, Dorivaldo Brites de Oliveira, a decisão é baseada neste aspecto, que torna a universidade responsável pelo pagamento do financiamento caso o governo não consiga cobrar o aluno.

“A gente é solidário com a dívida, mas não é responsável nem pela seleção do acadêmico nem pela cobrança inicial. Se a gente não tem essa possibilidade, não há como ser solidário, porque não temos o critério da concessão do financiamento nem a condição de cobrá-lo. E lá no fim, se o governo não conseguir cobrar, a gente tem que ressarcir. Não temos essa condição de aderir. Já está comprovado que o governo não consegue fazer a cobrança devidamente, portanto o risco passa a ser absolutamente muito grande”, explicou o pró-reitor em entrevista à Rádio Gazeta.

LEIA MAIS: Unisc divulga lista de aprovados no Vestibular de Inverno

A decisão impacta a todos os cursos de graduação, conforme o pró-reitor. A universidade, que já teve 50% dos alunos pagantes utilizando o Fies - correspondente a 5 mil acadêmicos -, agora conta com pouco mais de 2 mil alunos ainda financiados pelo programa, e todos são acadêmicos com os cursos em andamento. “A gente admite que a possibilidade de entrada é menor, mas não podemos atribuir absolutamente tudo ao financiamento estudantil.”

O pró-reitor lamentou a situação, mas ressaltou que era impossível para a instituição tomar uma decisão diferente. “Nós fomos parceiros do governo sempre na construção do financiamento. No Estado, tínhamos o maior percentual de estudantes com o Fies, desde 2010. Pra nós, o fato de a gente não estar entrando tem um significado bastante grande. Não estou contente de dizer que a universidade não está aderindo ao financiamento estudantil”, relatou.

 

O que levou à decisão?

A inadimplência registrada pelo governo federal culminou na renovação das bases do programa, que agora considera a instituição responsável pelas dívidas. Oliveira explica que o problema era registrado nas cobranças aos alunos, que não eram feitas da maneira correta.

“Nós tivemos alguns estudantes que vieram à Unisc para pagar o Fies, esse estudante não recebeu a cobrança por parte do governo e dos bancos. Qual é a informação que nós passamos pra eles? 'Olha, tu não deve pra Unisc, nós não temos nada a receber de ti. Todo o financiamento que tu fizeste nós já recebemos. Tu deve para o governo, via algum banco.' Portanto, eles não têm nenhuma dívida conosco.”

No primeiro semestre deste ano a universidade também não havia aderido ao programa.

LEIA MAIS: Unisc não adere ao novo Fies no primeiro semestre

 

E quem já tem Fies?

Alunos que já têm o financiamento, no entanto, não precisam se preocupar. Os contratos já existentes e firmados não sofrerão alterações. Os aditamentos são realizados normalmente, conforme a Unisc.

 

Saídas

Sem o Financiamento Estudantil, muitos alunos poderão ficar sem possibilidade de entrar no ensino superior. O pró-reitor de administração afirma, no entanto, que a universidade vêm ofertando outras formas de financiamento, como o crédito próprio da Unisc. As informações podem ser obtidas no site da universidade, na sessão “Bolsas e Financiamentos”.

LEIA MAIS: MEC publica novas regras do Fies a partir do primeiro semestre de 2018