Santa Cruz 11/12/2018 23h01 Atualizado às 16h41

Consultas médicas têm até 16,5% de abstenções

De 245 mil agendamentos feitos na saúde pública este ano, 40.541 foram cancelados por ausência de pacientes

O descaso com as marcações de consultas voltou a crescer em Santa Cruz do Sul. Somente neste ano, dos 245 mil atendimentos agendados, 40.541 deixaram de ser feitos por um problema que parece enraizado no município: a abstenção. O índice de ausências, que totaliza 16,5%, refere-se às consultas na rede de atenção básica e também às eletivas. Para se ter uma ideia, esse percentual já alcançou a média de 9% em maio de 2017. As faltas via Consórcio Intermunicipal de Serviços do Vale do Rio Pardo (Cisvale) também são expressivas: 1.901 ausências de janeiro a novembro.

LEIA MAIS: Sem dinheiro do Estado, Hospital Santa Cruz suspende cirurgias eletivas

Conforme o secretário da Saúde, Régis de Oliveira Júnior, as especialidades que mais têm registrado consultórios vazios são cardiologia, traumatologia e neurologia. “O que nos preocupa é que essas abstenções prejudicam a logística e tiram o lugar de quem realmente precisa.”

Entre os motivos atribuídos por Oliveira para o não comparecimento aos consultórios estão o esquecimento e a melhora no quadro clínico do paciente. “Muitas vezes o usuário marca a consulta porque está sentindo dor, mas se sente melhor alguns dias depois e esquece de avisar que não precisará mais do atendimento.” A quantidade de exames requisitados e não retirados pelos santa-cruzenses, afirma o secretário, também é grande.

LEIA MAIS: Hospital de Rio Pardo divulga novos números para contato

Para minimizar esse quadro, o secretário explica que uma série de ações estão sendo programadas. A mais urgente, que já está em fase de testes na Estratégia Saúde da Família (ESF) Doutor Pedro Eggler, é o envio de SMS para relembrar a data da consulta. “O torpedo é enviado dois dias antes com o local, dia e hora que o paciente deve comparecer à unidade. Depois, no dia, mais um aviso é enviado.”

Para os usuários que desistirem do atendimento, a orientação é entrar em contato com a sua unidade básica e informar, com 24 horas de antecedência, que não poderão comparecer ao consultório na data agendada. “É para garantir que nossa equipe tenha tempo de ligar para o próximo que está na fila”, salienta Oliveira.

Outra iniciativa organizada pela pasta é a fixação, em todos os postos, de cartazes que alertem sobre as faltas. O número da Central de Regulação para o caso de problemas também estará divulgado no aviso: (51) 3715-4013. “É preciso que a população entenda que o profissional estará lá a sua espera para atender. Se o paciente não for, ele retornará para a fila de espera e ainda vai tirar o lugar de outro que precisa. Esse, sem dúvidas, é o principal prejuízo.”

Para o segundo semestre do ano que vem, um aplicativo deverá facilitar esse tipo de lembrete. Segundo Régis de Oliveira Júnior, o app servirá para lembrar das consultas, vacinas, entre outros compromissos relacionados à saúde dos santa-cruzenses.

Oncologia

Outra especialidade que enfrenta problemas em Santa Cruz do Sul é a oncologia, com marcações pela 13a Coordenadoria Regional de Saúde. Conforme o diretor executivo do Hospital Ana Nery, Gilberto Gobbi, hoje as faltas alcançam um percentual médio de 10%. No início do ano, porém, o índice de absenteísmo foi ainda maior: 20%.

E na oncologia o problema é ainda mais grave, já que os casos, muitas vezes, são graves. “A pessoa que não vai prejudica a si mesma, por não ir, o profissional que espera e não  atende e também o terceiro que poderia ser atendido, mas não teve acesso ao serviço”, complementa Gobbi. Para desmarcar as consultas, basta entrar em contato com o Centro de Oncologia do Hospital Ana Nery (COI), pelo telefone (51) 2106 4400.

Até no convênio

Ainda que não conte com um índice específico sobre a quantidade de abstenções, a Unimed faz uma campanha contínua de conscientização sobre o tema. Segundo a assessoria de imprensa, a ação ocorre por meio de cartazes nos consultórios e pontos de atendimento, cards divulgados em redes sociais e notícias nos blogs e site. Os clientes são orientados a desmarcar as consultas se não puderem vir. E existem os “encaixes de agenda”, quando alguém que precisa de atendimento com rapidez pode consultar em horário que vagou de última hora.