Drama 20/08/2019 17h37 Atualizado às 21h45

Família aguarda por candelariense retida nos Estados Unidos

Jovem de 17 anos teve o passaporte apreendido na quinta-feira passada

Nos Estados Unidos desde fevereiro, quando foi visitar os tios, a candelariense Natália Neto, de 17 anos, acabou retida. Mesmo com passaporte válido e visto de turista, a jovem foi pega na imigração ao retornar de um passeio com os parentes no México. A apreensão dos documentos foi na quinta-feira, 15, na cidade de Progreso, na fronteira. Agora, Natália está retida em Chicago, nos Estados Unidos.

Conforme o pai, Marcelo Neto, desde então ele conseguiu falar duas vezes com a menina, que está isolada. "Só quero minha filha de volta", desabafa. Apesar de estar em contato com o Itamaraty desde o ocorrido, Neto sofre com a falta de informações vindas dos Estados Unidos.

O pai contou que Natália chegou a frequentar a escola no país, mas agora estava em período de férias. Ela morava na casa do tio, Felipe Neto, em Houston, no Texas. Felipe também é brasileiro, mas possui documentação de cidadão americano. Ele reside há anos nos Estados Unidos, onde trabalha no setor de informática.

"Eles tinham essa viagem marcada para o México, mas nunca imaginávamos que daria algum problema, já que ela estava com o visto e passaporte em dia. Agora está lá, incomunicável", explicou Marcelo Neto. Nem mesmo o tio pode visitá-la no abrigo onde ficam os menores retidos pela imigração.

Ao Portal Gaz a assessoria de comunicação do Itamaraty informou que acompanha o caso e presta a assistência consular cabível. No entanto, em atendimento à privacidade da menor, não pode fornecer informações adicionais sobre o assunto. Conforme o pai de Natália, ela já teria recebido a visita de alguém do Itamaraty no abrigo. Por enquanto, não há uma data oficial para que ela seja encaminhada de volta ao Brasil.

DEPORTAÇÃO DE IMIGRANTES
A retenção de Natália, mesmo que ela esteja com a documentação em dia, acontece em meio a mais um momento de tensão entre Estados Unidos e imigrantes. Há menos de um mês o governo de Donald Trump anunciou que faria batidas nas residências em busca de quem estivesse de maneira ilegal no país.

A declaração bastou para que imediatamente as redes sociais fossem tomadas por orientações como "não abra a porta", "agentes não têm direito de invadir residências", entre outros conselhos sobre como agir no caso de receber uma visita da polícia migratória.

O anúncio da operação do governo motivou declarações como a do prefeito de Nova York, Bill de Blasio, que afirmou estar comprometido em preservar a identidade da população, independente da condição em que se encontram no país.

Enquanto isso, os centros de detenção estão lotados de imigrantes após a onda de famílias vindas da América Central na tentativa de fugir da pobreza. A intenção de Trump é endurecer ainda mais a legislação para reforçar o controle na fronteira.

LEIA MAIS: EUA vão exigir informações sobre redes sociais para liberar visto