Operação Presságio 15/10/2018 11h25 Atualizado às 11h54

Polícia Civil coíbe tráfico de drogas sintéticas pelos Correios

Operação resultou na prisão de 15 pessoas durante cumprimento de mandados

A Polícia Civil deflagrou uma operação, na manhã desta segunda-feira, 15, com o objetivo de coibir o tráfico organizado de drogas sintéticas, como ecstasy e LSD. A ação foi chamada de Presságio. Foram dez meses de investigações em que a polícia, com a ajuda da Coordenadoria de Segurança dos Correios no Rio Grande do Sul, monitorou e investigou o envio de drogas por meio do serviço de encomendas para várias localidades.

As investigações apontaram que três células de envio de entorpecentes eram utilizadas para encaminhamento das drogas - Porto Alegre, São Leopoldo e Glorinha, onde ficavam as principais agências utilizadas pelos investigados para o envio das drogas.

Foto: Polícia Civil / Divulgação

 

As investigações se intensificaram em abril, durante o cumprimento de medidas judiciais especiais de investigação. Os policiais conseguiram imagens de circuito interno de videomonitoramento, imagens especiais, realizando apreensões dos entorpecentes encaminhados, e monitoramentos de entrega de drogas dos investigados, o que possibilitou obter material probatório das atividades criminosas de narcotráfico. 

As investigações apontaram que ocorreram remessas de drogas para dez estados e para o Distrito Federal (Brasília), em quantias consideráveis de entorpecentes. Os investigados utilizavam redes sociais, principalmente grupos de WhatsApp e Facebook, para divulgar seus serviços, expandindo assim a clientela para todo o Brasil. As drogas eram tabeladas e a taxa de frete era a cargo do comprador que utiliza-se de depósito bancário para concluir a transação. O esquema era organizado com divisão de tarefas, preços, rotas e prazos definidos. 

Foto: Polícia Civil / Divulgação

 

Foram solicitados quatro mandados de prisão e 28 mandados de busca e apreensão nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Cararina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso, Goiás, Brasília, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraíba e Amazonas, além do Distrito Federal, com ações em 27 municípios. No decorrer do cumprimento das ordens judiciais foram presas sete pessoas. Durante as investigações ainda foram realizadas oito prisões em flagrante com apreensão de ecstasy e tubos de lança perfume além de substância característica de Cloreto de Etila para produção de entorpecente, totalizando 15 prisões em toda investigação. 

No período foram realizadas diversas apreensões 4.960 comprimidos de ecstasys, 709 pontos de LSD, 150 vidros de lança perfume e 211 gramas de MDMA. Em valores, os entorpecentes apreendidos representam aproximadamente meio milhão de reais.

Foto: Polícia Civil / Divulgação

 

Os investigados serão indiciados pelos crimes de tráfico de drogas, com agravamento de pena pela interestadualidade, associação para o tráfico de drogas, organização criminosa e lavagem de dinheiro. O nome da Operação Presságio advém da ideia de indícios de que algo está para acontecer, devido ao contexto das remessas e do monitoramento da Polícia Civil.

As investigações contaram com o apoio das polícias civis de outros estados e do Gabinete de Inteligência da Polícia Civil do Estado do Rio Grande do Sul. Segundo o delegado Thiago Lacerda, o esquema funcionava com a vinda de drogas da Europa para o Centro-Oeste do Brasil, indo para o Rio Grande do Sul e a partir daí para vários estados brasileiros. 

O diretor de investigações do Denarc, delegado Mario Souza, enfatizou que a investigação foi sensível e abrangente para identificar o esquema suspeito de envio de drogas sintéticas para boa parte do Brasil. “Destaco que as drogas sintéticas envolvem um contexto de pessoas com grau de instrução diferenciado e boa condição econômica”, salientou o delegado. A operação foi deflagrada por meio da 2ª Delegacia de Investigações do Narcotráfico (DIN), do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc). 

Foto: Polícia Civil / Divulgação
Foto: Polícia Civil / Divulgação