Santa Cruz do Sul 03/10/2018 16h32

Em dia de chuva, motoristas dão banho em usuários de parada no Centro

Problema é recorrente no ponto de ônibus que fica quase na esquina com a Júlio de Castilhos

Já é uma cena comum aos usuários do transporte público de Santa Cruz do Sul que utilizam a parada de ônibus da Rua Tenente Coronel Brito, quase na esquina com a Júlio de Castilhos, no Centro: basta chover um pouco e a poça em frente ao ponto incomoda. Não só pela preocupação com os possíveis estragos nos carros que passam pelo local, mas com as diversas vezes em que os veículos passam pela água e ela atinge quem está na parada.

E o problema não é só irritante para os pedestres, que ficam com as roupas sujas e molhadas, como também pode ser uma infração de trânsito. Utilizar um veículo para jogar água ou detritos em pedestres ou mesmo em outros veículos é uma infração média, que pode render ao condutor o registro de quatro pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e uma multa de R$ 130,60, conforme o especialista em Gestão e Legislação de Trânsito, tenente-coronel Ordeli Savedra Gomes.

No entanto, para se enquadrar como infração, segundo Gomes, é preciso que a ação ocorra intencionalmente por parte do motorista. Além disso, caso o condutor tenha a possibilidade de reduzir a velocidade ou desviar antes de passar pela poça d'água, e não o faça, também é caracterizada a infração. Porém, o enquadramento não é tão simples. É necessário que um agente de trânsito esteja no local no momento da ação ou veja a situação através de câmeras de monitoramento para que o auto de infração seja lavrado.

Essa necessidade, de acordo com o especialista, faz com que a prática não acarrete em punições para o infrator na maioria dos casos, assim como em muitas das outras 420 possibilidades de enquadramento em infrações de trânsito. "Se formos fazer uma comparação, é o mesmo que acontece com a distância necessária entre o ciclista e o carro, de um metro e meio. A infração existe, mas é muito difícil que venha a ser feito o registro da ocorrência", explica.

Sobre o paradão

O problema no paradão do Centro de Santa Cruz já é de conhecimento da Prefeitura. Conforme o secretário de Obras e Infraestrutura, Leandro Kroth, o reparo no local será feito quando começarem as obras para instalação da superparada, no mesmo modelo da já existente na Rua Tiradentes e a que está sendo construída nos fundos do Palacinho. "Vamos otimizar o serviço naquele local", comenta o secretário.

Quando a movimentação para a superparada começar, serão resolvidos os problemas de drenagem, que hoje fazem com que a água fique acumulada em frente à parada. No reparo, conforme Kroth, serão instaladas as tubulações necessárias para que a água seja escoada até a Rua Júlio de Castilhos, de onde será levada à rede pluvial. Contudo, de acordo com o secretário de Transportes e Serviços Urbanos, Gérson Vargas, ainda não há previsão de começo das obras.