Município 07/01/2019 22h47 Atualizado às 06h29

Prefeitura de Santa Cruz pretende criar uma Secretaria de Cultura

Atualmente, órgão funciona como departamento vinculado a outra pasta. Votação na Câmara será nesta terça

Santa Cruz do Sul pode contar, pela primeira vez, com uma secretaria municipal dedicada exclusivamente à área da Cultura. Um projeto instituindo a nova pasta foi encaminhado nessa segunda-feira pela Prefeitura à Câmara e será votado na manhã dessa terça-feira, 8 em sessão marcada para as 10h30.

Atualmente, a gestão das políticas públicas de fomento à cultura compete a um departamento  vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Econômico. A nova pasta, que terá um orçamento de R$ 1,6 milhão em 2019 e será instalada junto à nova Biblioteca Municipal, no Centro, ficaria responsável por administrar espaços como o Centro de Cultura Jornalista Francisco José Frantz, onde são ministradas oficinas artísticas e realizadas exposições, além de apoiar iniciativas culturais privadas. Também ficará sob a alçada do novo órgão o Conselho Municipal de Cultura. Ao todo, a secretaria contaria com uma equipe de cerca de 25 pessoas.

A proposta surge menos de dois anos após o governo transferir o Departamento de Cultura da Secretaria de Educação para o Desenvolvimento Econômico. À época, a intenção era aproximar a gestão cultural com as políticas voltadas a grandes eventos, como Oktoberfest e Enart.

Para o jornalista e presidente da Academia Santa-Cruzense de Letras, Romar Beling, que defendeu a criação de uma secretaria municipal de Cultura em um artigo publicado na edição do último fim de semana da Gazeta do Sul, o anúncio coloca Santa Cruz “em sintonia com o que outros municípios do Estado e do País estão fazendo”. Para ele, a implantação do órgão era uma necessidade diante do extenso leque de iniciativas culturais do município. A medida, conforme Beling, vai permitir uma interação maior com órgãos de fomento à cultura em nível estadual e federal. “Vamos ganhar muito com isso. Uma cidade com essa pretensão precisa de uma secretaria de Cultura”, observa.

O Palacinho ainda não confirmou quem seria o novo secretário. Um dos cotados é o atual titular da Fazenda, Edemilson Severo. O atual diretor do Departamento de Cultura é o ex-secretário de Educação, professor Nasário Bohnen.

Telmo já criou duas secretarias

Se aprovada pela Câmara, esta será a terceira secretaria criada desde o início do governo Telmo, em 2013, e a Prefeitura retornará ao organograma que possuía ao fim do ano anterior, com 15 pastas, sem contar a Procuradoria-Geral. Após se eleger com discurso de racionalização de gastos, o prefeito Telmo Kirst (PP) realizou uma reforma administrativa logo na largada da gestão, reduzindo o número de secretarias para 12.

Pouco mais de um ano depois, porém, Telmo passou a criar estruturas para atender a necessidades políticas. A primeira foi a Secretaria de Comunicação, em 2014, à época para acomodar o SD, que acabara de ingressar no governo. Depois, já no segundo mandato, foi recriada a Secretaria de Habitação, uma das que haviam sido extintas pela reforma e cujo objetivo era abrir um novo espaço no primeiro escalão para negociar com aliados.

Atualmente, o salário bruto de secretário municipal chega a R$ 14,9 mil. Além do cargo de secretário, o projeto que institui a pasta também cria uma nova função gratificada (FG). A Prefeitura alega, no entanto, que existem recursos não comprometidos no orçamento de 2019 e que, como a nova pasta será instalada junto à Biblioteca Municipal, não haverá despesas com locação. Nos bastidores comenta-se que com a possível aprovação da secretaria nesta terça-feira, na Câmara, Telmo deverá, nos próximos dias, mexer no primeiro escalão de forma que ao menos um secretário passe a responder por duas pastas.


MAIS LIDAS