Violência 25/04/2019 17h58 Atualizado às 18h24

Ex-vereador morre após ser esfaqueado pelo próprio filho em Cachoeira do Sul

Marcelo Fabiano Moraes de Oliveira morreu nessa quarta; crime aconteceu no domingo

Um crime que chocou Cachoeira do Sul e região teve um desfecho trágico na noite dessa quarta-feira, 24, quando o ex-vereador Marcelo Fabiano Moraes de Oliveira morreu, aos 49 anos, em decorrência das facadas que o próprio filho teria desferido contra ele. O ex-vereador, que cumpriu mandato entre 2009 e 2012, faleceu na UTI do Hospital de Caridade e Beneficência (HCB) de Cachoeira do Sul.

A agressão teria acontecido na madrugada do último domingo, 21. Conforme o delegado José Antônio Taschetto Mota, titular da Delegacia de Cachoeira, a confusão com o autor das facadas e filho da vítima, Gabriel Maciel de Oliveira, de 28 anos, teria começado ainda durante a tarde de sábado.

Gabriel, que seria usuário de drogas, teria extorquido os pais por duas vezes durante aquela tarde, para consumir drogas. Pouco depois de consumir crack, teria espancado a mãe e a namorada. Já no começo da noite, a mãe teria retornado para casa, no Bairro Noêmia, e se refugiado na residência junto ao marido e pai de Gabriel, Marcelo.

O filho, entretanto, queria mais dinheiro e teria continuado perturbando os familiares em frente à casa. Segundo o delegado, possivelmente com medo do que o filho pudesse fazer, Marcelo teria saído da residência e falado com Gabriel. “Neste momento, Gabrielzinho, como é conhecido na cidade, foi para cima do pai e desferiu pelo menos uma facada nele”, contou Mota. Após o crime, Gabriel teria obrigado a mãe e a namorada a fugirem com ele.

Esta, no entanto, não foi a primeira versão apresentada para a Polícia Civil. Segundo o delegado, mãe e namorada teriam sido ameaçadas por Gabriel para mentir no depoimento, concordando com as alegações dele. “Ele alegou que teria se defendido, que também teria sido agredido pelo pai. Esta versão foi desmentida, nesta madrugada [de quinta-feira], pela namorada, quando ela se sentiu segura para dizer que o Gabriel tinha atacado o pai.”

A segurança da namorada, que não teve a identidade revelada, veio após a prisão preventiva de Gabriel. Ele foi detido por lesões corporais, no enquadramento da Lei Maria da Penha, depois de ter agredido a jovem. “Então, ela acabou dando um novo depoimento”, explicou o delegado.

Ainda nesta sexta-feira, 26, deve ser encaminhado ao Poder Judiciário o pedido de prisão preventiva de Gabriel pelo homicídio do pai. Ainda são aguardados o laudo da necropsia e outras diligências para conclusão do inquérito policial. “O caso assombra a cidade, de um filho que matou o próprio pai. É comovente.”
 

Ficha extensa

Gabrielzinho, como é conhecido em toda a cidade, teria quatro folhas de antecedentes criminais. Conforme o delegado Mota, há furtos, lesão, crimes de trânsito, dano qualificado, resistência, desobediência e outros crimes na ficha do jovem, muitos deles relacionados ao uso de entorpecentes. “Ele é viciado há anos, é um caso complicado, não só pelo modo familiar, mas também policial. Ele demonstra alta periculosidade, é um perigo estar nas ruas de Cachoeira do Sul.”
 

Polícia Civil procura pela mãe

Segunda testemunha presente no momento do crime, a mãe de Gabriel ainda não foi ouvida pela Polícia Civil. “Acreditamos que ela ainda não tenha aparecido por medo do que ele possa fazer, se foi capaz de matar o próprio pai”, disse o delegado. Agora, com a prisão de Gabriel, Mota espera que a mulher entre em contato com a polícia para prestar depoimento, já que ela é uma das peças fundamentais para conclusão do caso.
 

Sepultamento

Conforme a funerária Madre Teresa, responsável pelos serviços fúnebres de Marcelo, o corpo foi velado na Capela A, nesta quinta. O sepultamento estava marcado para acontecer às 18 horas, no Cemitério Municipal de Cachoeira do Sul.