Só para baixinhos 25/10/2019 19h53 Atualizado às 10h34

Xou da Xuxa é atração no Gigantinho na noite deste sábado

O espetáculo é uma referência direta ao programa apresentado pela artista, exibido nas manhãs da TV Globo entre agosto de 1986 e dezembro de 1992

Neste sábado, 26, o Rio Grande do Sul verá um Gigantinho lotado de crianças grandes, que foram baixinhos há mais de 30 anos. Eles vão sair de casa para ver a espaçonave mais famosa do Brasil, com sua única tripulante, Xuxa Meneghel, chegar a um palco iluminado de sonho. Sonho de cristal, que fez da plebeia de Santa Rosa a rainha de um conto de fadas genuinamente brasileiro. Xuxa Xou é o programa de fãs da gaúcha que conquistou o mundo. A turma da Xuxa vem dar o seu “alô” em uma apresentação de cem minutos repleta de memórias afetivas de seu público, os seus eternos baixinhos.

LEIA MAIS: Xuxa volta aos palcos com show nostálgico e com direito a paquitas

Depois de 11 anos desde o último show – na época só para baixinhos –, o mesmo Gigantinho verá a Xuxa que está viva na memória de quem foi criança nas décadas de 1980 e 1990. Relembrando os sucessos dos álbuns que entraram para a história da música brasileira como os mais vendidos, a artista desembarca, com nave e tudo, para delírio de seus fãs. O espetáculo Xuxa Xou é uma referência direta ao programa apresentado por ela, o Xou da Xuxa, exibido nas manhãs da TV Globo entre agosto de 1986 e dezembro de 1992.

Os clássicos Ilariê, responsável por colocar Xuxa no Livro dos Recordes com disco infantil mais vendido no mundo, Arco-Íris, do mesmo álbum, e Lua de Cristal – o hino de toda uma geração – estão no setlist do “xou”. Lua de Cristal, que fala de sonho, de amor e da cumplicidade de Xuxa com seus seguidores, também. É nela que a rainha se iguala aos seus, dizendo que “todos somos um, e juntos não existe mal nenhum”.

Para agradar aos novos baixinhos, os filhos de seus primeiros súditos, ela reuniu uma seleção de músicas da coleção Xuxa Só Para Baixinhos (XSPB). Completando o espetáculo, Paquitas e Paquitos dão o clima ao show que será pura emoção na capital gaúcha, em uma volta em sua Máquina do Tempo, música do álbum Só Faltava Você, de 1998, quando Xuxa esperava a herdeira, Sasha.

Xuxa Xou é fruto de uma aposta da artista, feita há três anos, no Rio de Janeiro. Na época, a rainha fez uma parceria com o Chá da Alice, festa LGBTQ+, a fim de arrecadar recursos para sua fundação no estado fluminense. Nascia o XuChá, o Chá da Xuxa, evento que rendeu diversas apresentações em São Paulo e Rio, gravadas e exibidas como programa especial de Natal da loira, na Record TV, em dezembro de 2016.

No ano seguinte, novas apresentações, até que em 2018 foi criado o Xuxa Xou, a 18ª turnê da carreira de Xuxa, que chega a Porto Alegre neste sábado, em única apresentação no Gigantinho. Xuxa prometeu ir mais longe com sua nave. Em 2020, o disco voador da rainha aterrissa na América Latina, a segunda casa de sua majestade.

Foto: Divulgação


Vai ao xou?

Os ingressos das arquibancadas leste e oeste do Gigantinho foram adquiridos logo no início das vendas. Há bilhetes disponíveis para o setor de cadeiras, que custam de R$ 270,00 a R$ 800,00. A compra pode ser feita pelo site uhuu.com. O show está marcado para as 19 horas e tem previsão de durar 1h40. A abertura dos portões do Gigantinho será às 17 horas.

A colecionadora de recordes na Record

Foto: Divulgação


Rainha da audiência, dos discos infantis, das crianças e das polêmicas, Xuxa Meneghel coleciona títulos em 36 anos de carreira na televisão. Ela começou na extinta TV Manchete, no comando do Clube da Criança. A forma direta de tratar com o público logo chamou a atenção da opinião pública, que jurava que ela odiava as crianças. Na Globo, a atenção era para o poder comercial de Xuxa, que se tornou o grande trunfo da tevê da família Marinho.

Em agosto de 1986, a nave espacial fazia seu primeiro voo no Jardim Botânico, bairro que sediava parte dos estúdios da Globo, trazendo o sucesso de Xuxa para a emissora. No auge da carreira, ela recebia o salário em dólares e fazia dinheiro com tudo o que tocava. A fortuna da rainha é estimada em US$ 1 bilhão.

Gravou seu nome na indústria da música, com 35 discos entre lançamentos nacionais e internacionais. O disco Xou da Xuxa 3, lançado em julho de 1988, o álbum de Ilariê, vendeu 3,2 milhões de cópias e entrou para o Guinness Book como o disco infantil mais vendido no mundo. O recorde ainda permanece lá.

A rainha esteve nas telonas em 21 filmes, dos quais 13 foram longas que ela protagonizou. Quem era criança em 1990 certamente lembra-se da fila, no Centro de Santa Cruz Sul, para a exibição de Lua de Cristal no extinto Cine Victória. O filme foi a maior bilheteria da década, assistido por 5 milhões de pessoas nas salas de cinema do Brasil, marcando a retomada do cinema nacional.

Além de apresentar programas na TV Manchete, Globo e Record TV – emissora que recebeu Xuxa em 2015 –, Maria da Graça comandou atrações no Chile, na Argentina, na Espanha, em Jerusalém e nos Estados Unidos. Na América do Norte, seu programa era exibido por um pool de 130 emissoras.

Após do fim do contrato com a TV Globo, em fevereiro de 2015, Xuxa, que desejava continuar no comando de programas de auditório, assinou com a Record TV, tornando-se a principal estrela do canal da Igreja Universal do Reino de Deus. Na casa dos bispos, a rainha ocupa o horário nobre, no comando de realities de dança e música. Segundo Xuxa, a ida para a “REC”, como ela chama a tevê, permitiu que ela virasse marca de perfume, embaixadora de refrigerantes, garota-propaganda de cosméticos e apresentasse programas ao vivo, sem cortes de edição. Passados mais de 30 anos, Xuxa encontrou-se com ela mesma.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação


Recado da xuxa

A última faixa do lado A do disco Xou da Xuxa 4, lançado em 1989, vinha com a gravação de uma homenagem. A música chama-se Recado pra Xuxa. Quem cresceu vendo Xuxa, seu “xou” e suas performances na televisão realiza um sonho neste sábado. Nas palavras da rainha, “o verdadeiro amor nunca morre”. É esse amor que ela pode esperar em um ginásio que fará a contagem regressiva para a descida da nave, como aprendeu a recebê-la todas as manhãs.

Só entende quem foi criança naquela época. É difícil explicar o amor, mensurar o gostar, sobretudo a gratidão por ter sido a “tia” Xuxa que ensinava a tomar o café da manhã, incentivava a fazer exercício. Que cantava que rir era o melhor remédio, fazendo a esperança multiplicar-se com seu “querer, poder e conseguir”. Xuxa foi a primeira coach.

Quem ama não vê defeito. Sabe que Xuxa não canta, faz playback. Para gravar um disco, chegou a fazer injeção de corticoide para chegar às notas mais altas. Notas que falam de sonho, de amor e de felicidade. Xuxa marcou com um “X” o coração das crianças de todas as idades e segue única no posto de rainha, inabalável. Obrigado, Xuxa.